Os mais lidos de 2018

2018 foi um ano fantástico para o Caos Planejado. Entramos para o clipping regular do CAU-BR, participamos do Podcast Mamilos — um dos mais ouvidos do Brasil —, participamos do COMPLAN, em Fortaleza, além de eventos em Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul.

Estrearam com artigos originais Vanessa Nadalin e Thiago Jardim, ambos economistas do IPEA, João Melhado, mestrando de políticas públicas da Universidade de Columbia, e Paulo Sá Vale, arquiteto e urbanista de São Luís. E outros nomes já preparam seu artigo de para 2019.

Este ano nossa Newsletter completou um ano e, para 2019, estão no forno os projetos de um site totalmente redesenhado para tornar o conteúdo mais acessível e, ainda, um podcast sobre cidades, onde entrevistarei grandes nomes do urbanismo brasileiro.

O que nos motiva a continuar trabalhando são vocês, leitores. O engajamento que temos acompanhado é excelente, e é este o impacto que gostamos de ver em nosso trabalho. Dos elogios às críticas, das perguntas às respostas, nos orgulha contribuir para a criação de uma comunidade mais consciente do debate urbano brasileiro.

Desejamos a todos um excelente final de ano, e esperamos vocês de volta em 2019.

Confira os artigos mais lidos de 2018:

 

#5 – Balneário Camboriú: sucesso ou catástrofe urbana, por Anthony Ling

 

“Os edifícios mais altos do Brasil não estão sendo construídas nas grandes metrópoles como São Paulo ou Rio de Janeiro, mas em Balneário Camboriú. O edifício Millenium Palace, já inaugurado, tem 186 metros de altura, e a cidade assiste à construção de mais dois edifícios, Infinity Coast e Yatchouse, de 240 e 275 metros de altura, respectivamente. Como comparação, o Mirante do Vale, edifício mais alto de São Paulo, mede ‘apenas’ 170 metros.”

 

 

#4 – Cortiços eram melhores que as favelas, por Anthony Ling

 

“No imaginário popular, cortiços eram o que existia de pior como moradia nas cidades brasileiras. Enraizado na nossa cultura e registrado no clássico de Aluísio Azevedo, cortiços eram moradias insalubres e dilapidadas, onde doenças se proliferavam, onde habitava a escória da sociedade e onde proprietários exploravam os moradores com aluguéis abusivos.”

 

 

#3 – São Luís e o mito da falta de planejamento urbano, por Paulo Sá Vale

 

“É muito comum ouvirmos que os problemas de São Luís vêm da falta de um bom planejamento urbano. No entanto, passeando pela história da cidade, podemos notar que ela não apenas teve planejamento, como acompanhou os ideais e instrumentos de políticas urbanas dos grandes centros do país, como São Paulo e Rio de Janeiro.”

 

 

#2 – 4 ocasiões em que o controle de aluguéis foi implementado no Brasil – e falhou, por Anthony Ling

 

“[No início deste ano] o deputado federal Jean Wyllys publicou em sua página no Facebook um Projeto de Lei de sua autoria que propõe ‘parar o aumento dos aluguéis’.

Essa não é a primeira vez que um político pretende controlar os valores dos aluguéis no país. A medida já foi implementada em quatro outras ocasiões — todas com resultados diferentes do esperado. Não é à toa que o tema é um dos poucos onde há um razoável consenso entre economistas independente do espectro político, como Paul Krugman e Matthew Yglesias.Quando aplicado, o controle de aluguéis reduz a quantidade e a qualidade das moradias disponíveis.”

 

 

#1 – Como o Minha Casa, Minha Vida agravou nosso déficit habitacional, por Luan Sperandio

 

“Lançado em 2009, o Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) pode ter as melhores intenções, mas as evidências empíricas indicam que ele não apenas fracassou em seu propósito original — reduzir o nosso déficit habitacional — como aumentou esse déficit, além de ter encarecido imóveis e gerado outros problemas sociais.”

 

Deixe um comentário