fbpx
Mais lidos de 2019

Mais lidos de 2019

Goiânia, novo Plano Diretor de Belo Horizonte, favelas e maneiras para trabalhar com o urbanismo. Veja os artigos mais acessados de 2019.

16 de dezembro de 2019

2019 foi um ano incrível para o Caos Planejado: produção do nosso próprio podcast, grande crescimento no número de acessos e de conteúdos originais e lançamento do nosso novo site.

Além disso, conquistamos o reconhecimento de profissionais da área, gestores públicos, imprensa e comunidade. Alguns exemplos foram a parceria com o site ArchDaily, o site de arquitetura mais acessado do mundo, a inspiração do fim da obrigatoriedade em vagas de estacionamento na cidade de Porto Alegre e a palestra magna em conferência da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, que contou com os principais gestores públicos da capital mineira.

Queremos agradecer e dedicar estas conquistas a nossos leitores. Dos elogios às críticas, das perguntas às respostas, vocês contribuem diariamente para a criação de uma comunidade mais consciente do debate urbano brasileiro.

Desejamos a todos um excelente final de ano, e esperamos vocês de volta em 2020.

Confira os conteúdos mais acessados e 2019:

5º – Goiânia: a metrópole brasileira que está resolvendo o déficit habitacional

“Em um território plano, onde é possível ver o horizonte em todas as direções, edifícios de mais de quarenta andares sobem em regiões diferentes da cidade. Recentemente foi inaugurado um edifício de cinquenta andares, com 191 metros de altura, o mais alto do país. Alguns criticam este modelo de desenvolvimento pelo seu impacto na paisagem e, em uma capital com alto crescimento populacional, esperaríamos que o custo da moradia aumentasse constantemente, assim como o déficit habitacional. Este não é o caso de Goiânia.”

4º – Novo Plano Diretor de Belo Horizonte: mais um passo para o fracasso

“O futuro de Belo Horizonte está em jogo. Não se trata de problemas associados a crises econômicas ou desastres naturais. Trata-se da consolidação de uma estrutura urbana espacial ineficiente e suas consequências econômicas e sociais, cujos efeitos são tão duradouros quanto a idade de edifícios. A perspectiva de aumento da restrição à construção com a redução dos potenciais construtivos do solo urbano, previstos no Projeto de Lei 1749/15 de Belo Horizonte, aprovado no mês passado, reforçará os padrões ineficientes de desenvolvimento da cidade nas últimas décadas.”

3º – Mitos e verdades sobre a nova Lei da Regularização Fundiária Urbana

“De um lado, o governo afirma que a lei beneficia milhões de moradores de áreas irregulares, que receberão o direito de propriedade sobre os terrenos que ocupam, viabilizando a obtenção de empréstimos bancários para investimentos no próprio imóvel ou em pequenos negócios. De outro, os críticos afirmam que a lei destrói a política de regularização fundiária construída a partir de 2009, desconsidera a ordem urbanística e a preservação do meio ambiente, dispensa a provisão de infraestrutura pelo poder público, estimula a expulsão dos moradores de baixa renda pelo mercado imobiliário e favorece grileiros de alta renda.”

2º – Cortiços eram melhores que as favelas

“No imaginário popular, cortiços eram o que existia de pior como moradia nas cidades brasileiras. Enraizado na nossa cultura e registrado no clássico de Aluísio Azevedo, cortiços eram moradias insalubres e dilapidadas, onde doenças se proliferavam, onde habitava a escória da sociedade e onde proprietários exploravam os moradores com aluguéis abusivos.”

1º – 10 maneiras de trabalhar com urbanismo

“Vários leitores já me perguntaram como podem contribuir com a sua cidade ou iniciar um trabalho em urbanismo. Alguns são estudantes de arquitetura, outros são urbanistas recém formados, e outros são cidadãos engajados querendo transformar as suas cidades. As formas são várias, do trabalho voluntário ao profissional remunerado e, inclusive, pelas decisões que tomamos no nosso dia a dia.”

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.