fbpx
Podcast #54 | Desenvolvimento urbano de Balneário Camboriú

Podcast #54 | Desenvolvimento urbano de Balneário Camboriú

Ouça nossa entrevista com Rubens Spernau e Valeria Bechara sobre o desenvolvimento urbano de Balneário Camboriú.

11 de novembro de 2021

Verticalização, alargamento da Praia Central, mercado imobiliário, preservação natural… Neste episódio, recebemos Rubens Spernau e Valeria Bechara para uma conversa sobre o desenvolvimento urbano de Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

Rubens Spernau

Rubens foi secretário de Estado da Infraestrutura de Santa Catarina e, entre 2013 a 2017, ocupou o cargo de secretário municipal de Planejamento do Município de Bombinhas. Desde junho de 2018, ocupa o cargo de Gestor do Fundo Municipal de Outorgas e é responsável pelo projeto e execução do alargamento da Praia Central de Balneário Camboriú.

Valeria Bechara

Valeria é nascida na cidade do Rio de Janeiro, é arquiteta e urbanista formada pela Universidade Gama Filho, e fez MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV de Curitiba. Atualmente é sócia-fundadora da Jaime Lerner Arquitetos Associados, onde começou a trabalhar em 1988, colaborando no desenvolvimento de planos e estratégias urbanas para o setor público e privado. 

Entre 1991 a 2002, foi consultora técnica para o setor público, primeiro para o governo municipal de Curitiba e, em seguida, para o governo do Estado do Paraná, nas respectivas gestões de Jaime Lerner. Com vasta experiência em projetos de arquitetura e urbanismo em todo Brasil, atuou também em projetos no México, na República Dominicana e em Angola.

Ouça:


Disponível também em:

Quer participar ao vivo das gravações do podcast? Seja nosso apoiador premium.

Links:

Enquete: Você ama ou odeia Balneário Camboriú?

Spernau alargou um trecho da praia, para protegê-la

BC: 60% dos imóveis vazios durante o ano

BC: Estrutura de edifícios comporta 1 milhão de pessoas

Vídeo Masterplan Jaime Lerner

Masterplan Jaime Lerner

Balneário Camboriú: sucesso ou catástrofe urbana?

Podcast Conversations with Tyler | Edward Glaeser and David Cutler on the Health and Wealth of Cities

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Olá, excelente podcast.
    Acompanho os podcast de vocês a um tempo. Gostaria de parabenizar pela diversidade de opiniões que vocês trazem, enriquecendo o debate.
    Não tenho formação na área do urbanismo, e se tratando de verticalização, como o abordado no podcast, sempre tive dúvidas a respeito dos limites que devem se impor a altura dos edifícios. Em se tratando de áreas de importância paisagista e cultural, ou de iluminação do Sol, deveria se impor um limite na altura das edificações em certas áreas da cidade, como ocorre em Tóquio para se preservar a incidência de luz solar? Ou isso levaria a degradação de áreas da cidades, pelo desinteresse das incorporadoras devido a restrições desse tipo?

    • Oi Leonardo, obrigado por acompanhar o nosso trabalho! Minha opinião é de que, sem dúvida, pode haver um consenso da população em preservar a paisagem ou alguma característica especial e ambiental em virtude da restrição de alturas ou principalmente de potencial construtivo. É preciso apenas atentar que isto pode ter um efeito nos preços dos imóveis dada a restrição de oferta, devendo ser compensado de alguma forma em outro local da cidade.

      Anthony