Cansado de congestionamento? Está na hora de você pagar pra andar com seu carro na rua

Sistema ERP de Singapura. Foto: Arquivo Caos Planejado

Sistema ERP de Singapura. Foto: Arquivo Caos Planejado

É, eu sei. Você já paga por uma sopa de letrinhas todos os anos para manter seu veículo funcionando. IPVA, DPVAT, licenciamento, seguro. Se ousar planejar trocá-lo, na horar de comprar outro veículo gastará outra fortuna com mais um punhado de letras. IPI, ICMS, Cofins, PIS. Não bastasse tudo isso, ainda gasta horas inenarráveis todos os meses em congestionamentos que não terminam mais, em avenidas esburacadas e mal iluminadas, contando as horas para não ser assaltado. Realmente, não é fácil. Todas as forças do mundo trabalham contra você. A culpa por isso tudo? Sustentar um sistema que é “de graça”. Você acabou se tornando um peso para as outras pessoas, um peso para o meio ambiente, um peso para o transporte coletivo. A solução? Abandonar a sopa de letrinhas. Em outras palavras: está na hora de você pagar pra andar com seu carro na rua. Pagar de verdade, pelo quanto você anda, sabendo exatamente como e onde está gastando seu dinheiro. Está na hora de deixar de lado a sopa de letrinhas, a burocracia sem sentido, os impostos acachapantes, e substituir por um sistema de preços.

O congestionamento de trânsito é uma externalidade. Sabe o que isso significa? Quando nós dirigimos, consideramos apenas os nossos próprios custos – o tempo que perdemos, o combustível gasto, a segurança do automóvel, a manutenção do veículo -, mas ignoramos que geramos prejuízos para outras pessoas, que não tem absolutamente nada a ver com a gente. Quando você coloca o seu carro numa avenida, aumenta o tempo médio que as pessoas gastam para atravessá-la. E isso tudo custa dinheiro. Muito dinheiro. Todos os anos, os congestionamentos desperdiçam bilhões de reais em todo mundo – especialmente nos países em desenvolvimento. Só no Brasil são mais de 170 bilhões de reais jogados no lixo todos os anos graças a eles. É mais dinheiro do que o governo planeja investir em infraestrutura em todo país por algum tempo. Faz sentido? Nenhum.

Nos grandes centros, a construção de novas ruas e avenidas quase nunca dá conta do recado. E é fácil entender a razão. O canadense William Vickrey, ganhador do Nobel de Economia em 1996, dedicou parte da sua carreira como economista a tentar explicar esse fenômeno. Sabe o que ele propôs? A ideia de uma taxação de congestionamento. E é aqui que o seu bolso entra.

O Brasil aparece com três cidades entre as dez mais congestionadas do mundo. Mas apostou errado quem pensa que São Paulo é a campeã dessa lista. As três cidades são, nessa ordem: Rio de Janeiro, Salvador e Recife. Congestionamento é um fenômeno sem discriminação regional, presente de norte a sul do país. A pergunta que não quer calar é: afinal, por que as nossas ruas e avenidas simplesmente não funcionam?

O motivo é simples: nosso sistema de trânsito não é guiado por preços, não estão inseridas no mercado. O principal determinante do sistema de preços é a demanda em relação à escassez do recurso em questão. Ficou difícil entender? Sem problema, vou tentar descomplicar. O problema aqui é: oferta de ruas e avenidas limitada/finita, demanda pelo uso de ruas e avenidas ilimitada/infinita. Em resumo: o sistema de trânsito atual é passe livre – e se você quer entender melhor porque isso simplesmente não funciona, precisa dar uma lida nesse texto aqui. Se não “custa nada” pra você usar um determinado serviço, seu uso será feito de modo irracional. É exatamente por isso que você perde tanto tempo no trânsito todos os dias.

William Vickrey recomendou um sistema eletrônico de taxas de congestionamento, onde as taxas aumentassem durante as horas de rush. O modelo foi aplicado em alguns lugares do mundo. O resultado foi o mesmo em todos eles: o estabelecimento de preços acabou/diminuiu os congestionamentos, melhorou a usabilidade das ruas e avenidas, diminuiu o número de acidentes, impactou positivamente na economia, ajudou o meio ambiente com a diminuição da emissão de CO2 e gerou maior bem-estar.

Em Singapura, onde as taxas foram aplicadas em 1975, houve uma redução imediata de 45% no tráfego e um declínio de 25% nos acidentes com veículos. As velocidades médias aumentaram de 18 km/h para 33 km/h. Um sucesso. Anos depois, na década de 90, houve uma atualização do programa, com a instalação do Electronic Road Pricing (ERP), um sistema inteligente com a capacidade de variar os preços com base nas condições de tráfego e por tipo de veículo, hora e local. Hoje apenas veículos de emergência estão isentos da cobrança. Depois da alteração, os níveis de tráfego diminuíram mais 15% (com cerca de 25 mil veículos a menos nos horários de pico) e houve um acréscimo da velocidade média de mais 20%. Por incrível que pareça, congestionamento lá simplesmente não existe mais. Além disso, 65% dos passageiros utilizam agora o transporte coletivo, um aumento de quase 20%. Qual o impacto disso tudo no meio ambiente? Uma redução de 176,400 libras em emissões de CO2. Nada mal.

O urbanista Anthony Ling, aqui do Caos Planejado, esteve por lá recentemente e gravou um vídeo da Fullerton Road. Saca só.

Impressionadas com os resultados obtidos em Singapura, autoridades de Londres adotaram o modelo na capital britânica em 2003. Por lá, o trânsito seguiu passos parecidos, embora com suas peculiaridades: o congestionamento caiu 30% nos dois anos seguintes à aplicação do modelo e aumentou a demanda pelo transporte coletivo. Todo mundo saiu ganhando.

“Mas e os mais pobres?”, você deve estar se perguntando. A preocupação é genuína, mas não se engane: quem mais sofre com nosso sistema de trânsito atual, não guiado por preços, são justamente eles, os mais pobres – que, por normalmente viverem nos bairros mais afastados, demandam mais tempo no trânsito, seja em veículos próprios, seja no transporte coletivo. As famílias brasileiras na faixa de renda 10% mais baixa perdem, em média, 20% mais tempo no trânsito por dia em deslocamentos de casa para o trabalho do que as famílias na faixa de renda 10% mais alta. Isso impacta não apenas na qualidade de vida, mas na produtividade e na própria formação profissional. Sabe aquela especialização que você sonhava em fazer e que iria dar um upgrade na sua carreira? Melhor esquecer, você foi derrotado pelo trânsito. Acabou, já era. Ascensão social não costuma lidar bem com semáforo parado por muito tempo.

E o problema não termina por aqui – como tudo que é ruim sempre pode piorar, o congestionamento também encarece o preço das tarifas de ônibus. Em média, congestionamentos são responsáveis por 25% do preço da passagem de ônibus. E esse valor vem aumentando ano a ano. Adivinha só que classe social mais utiliza ônibus no dia a dia? Acertou quem pensou nos mais pobres.

O grande problema é que o atual sistema “de graça” na verdade custa muito dinheiro. O valor é tão alto que quem cobra não tem sequer coragem de informá-lo. Os mais pobres, em especial, pagam caro pra usar um sistema “gratuito” de trânsito e são os maiores prejudicados pela ineficiência do modelo. Pagam em dobro se considerarmos o prejuízo da manutenção de seus veículos, mais expostos ao congestionamento, e do tempo perdido inutilmente no trânsito; pagam caríssimo nas latas de sardinha dos transportes coletivos. Todo esse dinheiro recolhido para a manutenção desse sistema, todo dinheiro perdido com a ineficiência do modelo, é uma grana que bate forte no bolso de todo mundo, mas ainda mais forte no bolso deles.

Apostar no modelo atual da sopa de letrinhas, inegavelmente fracassado, como todo setor não guiado pelo sistema de preços, é apostar numa coisa que nasceu pra dar errado. Você paga caro por um produto sem perceber, achando que é “de graça”, e leva em troca muita dor de cabeça pra casa.

Pense nisso na próxima vez que estiver no engarrafamento.

  1. A solução de Elon Musk para o trânsito é sua pior ideia até agora | Caos Planejado

    […] Quem conhece Musk sabe que seus empreendimentos são socialmente motivados, tentando resolver problemas difíceis enfrentados pela humanidade. É neste momento que seu equívoco fica mais evidente. Criar uma tecnologia para melhorar o transporte de automóveis individuais é ignorar a origem do problema e o que leva à existência do congestionamento em primeiro lugar. Além disso, criar uma rede tridimensional de túneis em cerca de 40 níveis diferentes é significativamente mais custoso do que a implementação de um sistema de tarifação de congestionamento, onde motoristas pagam para andar em determinadas ruas em determinados horários. Singapura, que possui o sistema mais avançado desse tipo, conseguiu praticamente eliminar o congest… […]

    Responder

Deixe um comentário