fbpx
Taxe o congestionamento — mas de maneira flexível e igualitária
Imagem: Joá Souza/WRI Brasil.

Taxe o congestionamento — mas de maneira flexível e igualitária

A taxa de congestionamento é uma ferramenta importante para desafogar as ruas, reduzir emissões e criar os sistemas de transporte que queremos e precisamos — se implementados de forma dinâmica e equitativa.

10 de novembro de 2022

A taxa de congestionamento é uma das ferramentas mais sensatas para conter o tráfego, reduzir as emissões de escape e criar um sistema de transporte mais eficiente, que leva as pessoas aonde elas precisam ir. Também é extremamente controverso politicamente, especialmente nas cidades dos Estados Unidos, onde os motoristas muitas vezes acreditam que não deveriam pagar pelo espaço viário que usam, nem pelas outras externalidades negativas do uso do automóvel.

Manchetes recentes, desencadeadas pelas últimas notícias da batalha da cidade de Nova York sobre a implementação de tarifas de congestionamento, apresentam argumentos que vão desde “As taxas de congestionamento prejudicam a classe média” até “As taxas de congestionamento arruinarão nossas cidades”.

O que essas manchetes ignoram é que, se implementadas cuidadosamente, as taxas de congestionamento têm o potencial comprovado de reduzir os engarrafamentos, diminuir as emissões e remodelar a maneira como nossos sistemas de transporte funcionam, mudando nosso próprio comportamento para escolhas mais sustentáveis e igualitárias.

Além disso, a receita das taxas de congestionamento pode ser, conforme proposto na cidade de Nova York, usada para financiar melhorias no trânsito que expandirão os benefícios para os passageiros e aumentarão a frequência, a cobertura e a qualidade geral do serviço, fornecendo assim uma alternativa sustentável e acessível aos automóveis.

Se alternativas adequadas existem, as taxas de congestionamento têm o potencial de enfrentar nossos maiores desafios de mobilidade e ajudar as cidades a trabalhar em direção a objetivos mais amplos, mas o modelo atual de implementação de cobrança está desatualizado (falando generosamente).

Os inconvenientes típicos das taxas de congestionamento incluem custos operacionais maciços que podem consumir metade da receita gerada, como visto em Londres, bem como problemas de infraestrutura e tecnológicos — pórticos que usam sensores e câmeras para ficar de olho nos motoristas exigem muita infraestrutura para uma tecnologia que não permite muita flexibilidade na cobrança ou alteração da geografia escolhida.

E, embora os pórticos possam funcionar para rodovias, eles são menos bem-vindos em áreas urbanas mais densas, onde já há um prêmio de espaço. Está claro que precisamos de uma maneira mais flexível de implementar preços de congestionamento que permitam mais aprendizado e preços dinâmicos sem tecnologia volumosa.

Com a proliferação de smartphones, os aplicativos fornecem um desses remédios — basta pensar em como empresas de rede de transporte como Uber e Lyft usam aplicativos para direcionar motoristas e determinar quanto cobrar dos passageiros. Essa teoria está sendo testada em um novo teste em Bogotá, Colômbia. O programa piloto ParceGo da cidade demonstra uma maneira viável de contornar esses problemas desenvolvendo uma ferramenta ágil, de baixo custo e flexível do lado da demanda que está ao alcance de todas as cidades.

O experimento de taxas de congestionamento baseadas em aplicativo de Bogotá

Nos últimos vinte anos, Bogotá foi aclamada por melhorias revolucionárias no transporte público, ciclismo e caminhada. Ao mesmo tempo, a cidade teimosamente permanece entre as mais congestionadas do mundo, apesar de medidas para mitigar o congestionamento como o Pico y Placa (um sistema de restrição de viagens baseado em números de placas), que foi introduzido em 1998.

Para domar ainda mais o tráfego, Bogotá aumentou a aposta com o Pico y Placa Solidário, um novo esquema que complementa o Pico y Placa, incentiva o compartilhamento de caronas e cria isenções para trabalhadores essenciais em momentos de necessidade. Parte da receita gerada será destinada ao financiamento do transporte público e da micromobilidade.

Desde a implementação do Pico y Placa Solidário, no entanto, a cidade enfrentou desafios, principalmente logísticos, relacionados à fiscalização (por exemplo: informar regras adicionais, realizar inscrições no programa, verificar isenções).

Congestionamento em Bogotá
Bogotá, Colômbia — uma das cidades mais congestionadas do mundo — testou um novo modelo dinâmico de tarifas de congestionamento baseado em aplicativo. (Imagem: Carlos F. Pardo)

Para enfrentar esses desafios de forma mais proativa com a ajuda da tecnologia, bem como para testar a viabilidade de um modelo baseado em aplicativo, Bogotá fez parceria com a ClearRoad, uma empresa privada especializada na construção de soluções de precificação de congestionamento, e com a Cornell Tech para iniciar o teste.

Em vez de usar números de placas e pórticos, o teste aproveitou a ampla disponibilidade de smartphones. Mais de 200 motoristas voluntários foram incentivados a se inscrever e registrar seus deslocamentos usando o aplicativo ParceGo — uma etapa adicional, mas que os usuários adotaram sem problemas.

Outro objetivo do teste, que durou três meses e terminou em 1.º de julho de 2022, era usar os dados de tráfego e viagens coletados por meio do aplicativo para determinar oportunidades de melhor gestão de congestionamento e estratégias de otimização de preços justos.

O modelo de tarifas de congestionamento baseado no aplicativo ParceGo usou dados em tempo real para medir a distância da viagem, a hora do dia em que as viagens são feitas, estradas ou locais específicos, tipos de viagem (por exemplo, ao trabalho, ou para realizar tarefas) e muito mais, representando um passo importante da tecnologia tradicional de tarifas de congestionamento.

Com essas informações, o preço pode se tornar dinâmico à medida que responde à demanda por espaço viário (ou seja, o preço pode responder aos níveis de congestionamento mais de perto).​​ A Cornell Tech analisará os dados e o comportamento de viagem para apresentar à cidade.

Durante o piloto, os usuários registraram mais de 600 deslocamentos realizados por dia, identificando as viagens realizadas no centro comercial, bem como em 14 outros corredores principais altamente congestionados. Os resultados preliminares revelam que 41% das viagens registradas foram feitas de carro e que 90% do total de viagens ocorreram nas áreas mais congestionadas da cidade.

A experiência dos usuários com o aplicativo também foi pesquisada após a conclusão do teste. No geral, os usuários avaliaram positivamente o aplicativo, com 97% relatando que se sentiam à vontade para compartilhar suas informações devido às medidas de proteção de dados incluídas no aplicativo. Os participantes também classificaram o aplicativo como fácil de usar e geralmente gostaram de como eles conseguiram acessar as informações gravadas para se tornarem mais informados e conscientes de seus comportamentos de direção.

Embora uma análise aprofundada esteja por vir, o sucesso do teste demonstra a viabilidade de usar a tecnologia baseada em aplicativos para desbloquear uma maneira mais flexível, baseada na demanda, e igualitária de implementar preços de congestionamento.

O futuro dos preços dinâmicos

As taxas de congestionamento têm o potencial de resolver alguns dos nossos maiores desafios de mobilidade, ao mesmo tempo em que nos ajudam a criar um sistema de transporte mais sustentável, justo e eficiente que leva as pessoas aonde elas precisam ir de maneira segura e acessível.

Mas precisamos de uma maneira mais flexível e dinâmica de implementar as tarifas de congestionamento que permita guinadas rápidas, ajuste de preços e reação direta ao comportamento atual dos deslocamentos.

O teste do ParceGo em Bogotá demonstra que é possível para as cidades se afastarem de modelos caros e lentos de precificação de congestionamento que dependem de infraestrutura física em direção a um mecanismo mais ágil baseado em aplicativos que permite o gerenciamento eficaz da demanda de deslocamentos.

Publicado originalmente em NUMO em outubro de 2022.

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.