Por que as cidades japonesas são tão agradáveis para se viver
Foto: victorpalmer/Needpix.com

Por que as cidades japonesas são tão agradáveis para se viver

O segredo do urbanismo denso e de uso misto.

21 de março de 2024

De vez em quando, as redes sociais norte-americanas redescobrem os pequenos apartamentos japoneses. O exemplo mais recente disso foi um vídeo de um estúdio japonês em Tóquio de 23m² por $300 por mês.

twitter.com/shaunonsite

Agora, esse é um preço incrivelmente bom comparado às principais cidades americanas. US$300 por 23m² é apenas US$13 por metro quadrado! Um estudo no ano passado descobriu que os aluguéis na cidade de Nova York são astronomicamente mais altos do que isso — US$66 por metro quadrado em Manhattan, US$47 por metro quadrado no Brooklyn e US$41 por metro quadrado no Queens. Você tem que ir até Witchita, Kansas — a cidade mais barata na pesquisa — para chegar a preços semelhantes aos de Tóquio.

Leia mais: O que realmente impulsiona o preço da moradia?

Uma razão para isso, claro, é que as cidades japonesas como Tóquio constroem muitas moradias. Mas outra razão é a menor demanda — os japoneses são, em média, muito mais pobres do que os norte-americanos, com menos da metade da renda média líquida pessoal. Isso significa que eles não podem pagar tanto por apartamentos, então os preços são mais baixos.

Mas esses preços são medidos por unidade de área. O fato é que, mesmo que você pague um aluguel muito baixo por um apartamento de 23m², você ainda está vivendo em um apartamento muito pequeno. E esse nem é o menor — existem apartamentos japoneses de 10m²!

Na verdade, isso está longe de ser o normal no Japão. Apartamentos pequenos eram comuns em Tóquio, mas a grande e contínua onda de construção na cidade conseguiu dobrar a quantidade de área por pessoa entre 1968 e 2013. A cidade agora tem um espaço habitável comparável a Paris e Londres, e apenas ligeiramente menor que Nova York:

Comparação da área útil por pessoa, em média, em Londres, Nova York, Paris e Tóquio. Imagem: Gleeson (2019)

E outras cidades japonesas têm ainda mais espaço.

Mas de qualquer forma, alguns desses apartamentos pequenos ainda existem, então vamos falar sobre eles. De fato, quando eu tinha 25 anos, vivi em um apartamento japonês ligeiramente menor que o do vídeo por cerca de um semestre. Era apertado, sim, mas na verdade foi uma experiência de vida muito agradável. E entender por que foi uma experiência de vida agradável é útil para entender por que as cidades americanas são tão insatisfatórias.

Muitos norte-americanos vão reagir com choque e horror à ideia de viver em um espaço tão pequeno. Para pessoas criadas na terra das grandes casas suburbanas, um pequeno apartamento na cidade grande pode parecer uma distopia — o proverbial “viver na cápsula”. Esse horror visceral contribui para os medos — não apenas entre os conservadores, mas também entre alguns esquerdistas e liberais — de que as políticas YIMBY (sigla em inglês para Yes in My Backyard, ou “sim no meu quintal”) busquem forçar os norte-americanos a viverem aglomerados como sardinhas em unidades pequenas como a do vídeo acima.

Leia mais: NIMBY e YIMBY: duas visões da cidade

Esses medos são irracionais. Os YIMBYs não querem forçar ninguém a viver em apartamentos pequenos, eles simplesmente querem permitir a construção de apartamentos como esse, se houver pessoas que queiram viver neles. E eu era uma dessas pessoas.

Por que foi tão bom viver em um apartamento pequeno? Parte disso, certamente, foi porque eu tinha 25 anos, era desapegado, e estava vivendo em uma cidade estrangeira e festejando muito. Parte disso é porque o Japão, culturalmente falando, é simplesmente um lugar muito amigável (ao menos se você souber falar a língua). Mas grande parte disso era sobre como as cidades japonesas são construídas. O Japão realmente dominou a arte do urbanismo denso e de uso misto. Isso significa que, mesmo que você viva em um apartamento pequeno, a cidade ao seu redor é tão agradável que sua vida pode parecer muito livre e luxuosa.

Zoneamento de uso misto com alta densidade comercial

Se você ainda não leu este famoso post sobre o zoneamento japonês, deveria lê-lo. Em resumo, o zoneamento norte-americano diz o que você pode construir em uma área — casas unifamiliares, edifícios de escritórios, etc. — enquanto o zoneamento japonês especifica o que você não pode construir. Isso significa que quase toda zona é de uso misto — já que quase nenhuma zona proíbe todos os tipos possíveis de lojas, quase toda zona tem algumas lojas. Em outras palavras, nos Estados Unidos, relativamente poucas áreas podem ter lojas, porque as leis de zoneamento têm que dizer especificamente “É permitido construir uma loja aqui”. No Japão, se o código de zoneamento não proíbe expressamente lojas, você pode ir em frente e construí-las.

E a maioria das zonas não proíbe expressamente lojas. Aqui está um infográfico dos 12 tipos básicos de zonas japonesas:

Imagem: Urban kchoze

Legenda:

1) Categoria I zona exclusiva de baixa altura residencial: Esta zona é designada para edifícios residenciais de baixa altura. Os edifícios permitidos incluem edifícios residenciais que também são usados como pequenas lojas ou escritórios e edifícios de escolas primárias/secundárias.

2) Categoria II zona exclusiva de baixa altura residencial: Esta zona é principalmente designada para edifícios residenciais de baixa altura. Além dos edifícios de escolas primárias/secundárias, certos tipos de edifícios comerciais com uma área de implantação de até 150m² são permitidos.

3) Categoria I zona residencial orientada para altura média/alta: Esta zona é designada para edifícios residenciais médios a altos. Além dos edifícios de hospitais e universidades, certos tipos de edifícios comerciais com uma área de implantação de até 500m² são permitidos.

4) Categoria II zona residencial orientada para altura média/alta: Esta zona é principalmente designada para edifícios residenciais de médio a alto porte. Além dos edifícios de hospitais e universidades, os edifícios permitidos incluem certas lojas e edifícios de escritórios com uma área de implantação de até 1.500m² para fornecer conveniências para a comunidade local.

5) Categoria I zona residencial: Esta zona é designada para proteger o ambiente residencial. Os edifícios permitidos incluem lojas, escritórios e edifícios de hotel com uma área de implantação de até 3.000m².

6) Categoria II zona residencial: Esta zona é designada para proteger principalmente o ambiente residencial. Os edifícios permitidos incluem lojas, escritórios e edifícios de hotel, bem como edifícios com sala de karaokê.

7) Zona semi-residencial: Esta zona é designada para permitir a introdução de instalações relacionadas a veículos ao longo das estradas enquanto protege o ambiente residencial em harmonia com tais instalações.

8) Zona comercial do bairro: Esta zona é designada para fornecer instalações comerciais do cotidiano para os moradores do bairro. Além de edifícios residenciais e comerciais, pequenos edifícios fabris também são permitidos.

9) Zona comercial: Bancos, cinemas, restaurantes e grandes armazéns são construídos nesta zona. Edifícios residenciais e pequenos edifícios fabris também são permitidos.

10) Zona semi-industrial: Esta zona é principalmente ocupada por instalações industriais leves e instalações de serviço. Quase todos os tipos de fábricas são permitidos, exceto aqueles que são considerados consideravelmente prejudiciais ao ambiente.

11) Zona industrial: Qualquer tipo de fábrica pode ser construída nesta zona. Enquanto edifícios residenciais e comerciais podem ser construídos, edifícios escolares, hospitalares e de hotéis não são permitidos.

12) Zona exclusivamente industrial: Esta zona é designada para fábricas. Embora todos os tipos de edifícios industriais sejam permitidos, edifícios residenciais, comerciais, escolares, hospitalares e de hotéis não podem ser construídos.

Como quase toda área tem lojas e restaurantes, mesmo nos subúrbios, você nunca está longe de uma loja ou restaurante. Isso torna muito mais fácil viver em um apartamento pequeno, porque você não precisa manter tantas coisas em sua casa.

Leia mais: A teoria dos jogos do zoneamento

No Japão, se eu quisesse uma garrafa de água, eu poderia simplesmente pegar o elevador até o térreo, andar dez segundos até uma máquina de bebidas ou dois minutos até uma loja de conveniência, e comprar uma. Na maioria dos lugares que vivi na América — Ann Arbor, Long Island, College Station, e assim por diante — eu teria que dirigir da minha casa para uma loja. Isso levaria 30 minutos, apenas para uma garrafa de água!

Então, se eu quisesse beber garrafas de água às vezes, eu teria que guardar algumas em minha casa. Isso ocupa espaço. E o mesmo vale para alimentos, utensílios de cozinha, produtos de limpeza, etc. No Japão, eu não precisaria acumular essas coisas, porque eu poderia pegá-las muito facilmente sempre que precisasse.

Loja de conveniência em Tóquio. Foto: Wikimedia Commons.

Ter restaurantes por perto também é incrivelmente libertador. Sair para comer não precisa ser uma excursão pela cidade — sempre que você sentir vontade, pode simplesmente sair e entrar no restaurante de lámen ou hambúrguer local.

Ter lojas e restaurantes a poucos minutos de distância a pé de sua casa faz algo além: cria espaços públicos perto de sua casa.

Em um bairro norte-americano com zona apenas para uso residencial, você precisa sair de casa e se transportar até um destino — uma rua comercial, um restaurante distante, um parque, um shopping, etc. — apenas para ver pessoas que você não conhece. Sua casa existe no meio de um vasto oceano de espaços privados fechados — casas e gramados, acessíveis apenas para as pessoas que moram lá. Talvez você possa caminhar pela rua e dizer oi para as pessoas que estão no gramado ou passeando com seus cachorros, mas esse é realmente o único contato com pessoas fora de sua casa em seu próprio bairro.

No Japão, pelo contrário, você vê estranhos em seu bairro o tempo todo — na loja de conveniência, na lanchonete ou caminhando pela rua de suas próprias casas para essas lojas e restaurantes. Mesmo que você não goste de conhecer estranhos ou dizer oi para seus vizinhos, é bom ver estranhos e ver seus vizinhos. Isso cria uma sensação de comunidade — de civilização e coletividade compartilhadas — mesmo sem precisar dizer nenhuma palavra.

É por isso que, no Japão, mesmo que você more em um apartamento pequeno, não parece que você vive em um espaço pequeno e solitário. Você está tanto na rua, que parece que você vive em um grande espaço aberto com muitas outras pessoas. Os subúrbios norte-americanos podem parecer confinantes e apertados porque, não importa o quão grande seja sua casa, não há nada nem ninguém fora daquelas paredes; no Japão urbano, mesmo com um apartamento pequeno, você ocupa um grande bairro. Isso é muito libertador.

É claro que tudo isso requer algo além de zoneamento de uso misto — requer alta densidade comercial.

Tendemos a pensar em “densidade” como densidade residencial — o número de pessoas que vivem em uma determinada área. Mas, como argumenta o blog Urban kchoze, a densidade comercial — o número de lojas em uma área — é muito importante para a caminhabilidade.

Você pode ter um bairro com uma tonelada de casas, mas apenas algumas lojas. As superquadras “torre no parque” que se tornaram populares na China nas últimas décadas, e que costumavam ser comuns no antigo Bloco Oriental, são exemplos disso. Essas áreas abrigam muitas pessoas, mas como não têm muitos lugares para comer e fazer compras, não criam o efeito de bairro aberto e amigável das cidades japonesas. Há um gramado compartilhado, mas não há muito o que fazer nesse gramado, e não há muitas pessoas para ver.

As cidades japonesas, por outro lado, têm uma tonelada de pequenas lojas e restaurantes. Uma razão para isso é que, como você pode ver na imagem acima, o zoneamento japonês limita explicitamente o tamanho das lojas em áreas residenciais; quanto mais uso residencial em uma área, menores as lojas precisam ser. Isso é muito diferente da América, onde os subúrbios tendem a ser atendidos por grandes lojas.

Na verdade, o Japão também tem uma lei nacional que protege pequenas lojas — a Lei de Grandes Estabelecimentos Comerciais, que dificulta a construção de grandes lojas. Essa lei foi um pouco flexibilizada nos anos 90, mas ainda é importante. Tem alguns efeitos negativos — as pequenas lojas são ineficientes, o que aumenta os preços para os consumidores dos lares japoneses. Isso também tem, provavelmente, alguns efeitos benéficos na economia política do Japão — protege uma classe média de pequenos empresários em ascensão, que por sua vez exige bairros caminháveis e bons sistemas de trânsito para ter mais tráfego de pedestres em suas lojas.

Mas, mais importante, cria uma variedade de lojas em um bairro. Se cada loja de conveniência e lanchonete tem que ser pequena, você precisa ter muitas delas para atender à demanda local. E isso cria variedade local, que é divertida e agradável. Caminhe cinco minutos, e há cinco restaurantes diferentes que você pode experimentar em seu bairro; caminhe quinze minutos, e há cinquenta. Essa variedade também permite a criação de “multidões” locais — além de um monte de clientes aleatórios que passam, você tende a ver um grupo pequeno de pessoas que frequenta repetidamente cada um dos lugares, o que promove a comunidade.

Restaurante em Tóquio. Foto: Wikimedia Commons

Segurança pública, baixo ruído, espaços públicos e trens

Além dos ingredientes básicos do zoneamento de uso misto e alta densidade comercial, existem várias coisas que o Japão faz para tornar seus bairros urbanos especialmente habitáveis.

O primeiro deles, é claro, é a segurança pública. O Japão tem uma das taxas mais baixas de crimes violentos do mundo. Sua taxa de homicídios, de 0,2 por 100.000, é uma das mais baixas do mundo, ainda menor do que a de países europeus.

Taxa de homicídios a cada 100.000 pessoas. Gráfico: ONU

A boa segurança pública faz as pessoas se sentirem mais seguras ao sair de suas casas — especialmente as mulheres, e especialmente à noite. Isso torna os bairros mais vibrantes e aumenta a sensação de comunidade. E quando é seguro sair, viver em um apartamento pequeno não parece tão confinante; ninguém sente que precisa se esconder dentro de casa de assaltantes, estupradores, etc.

Leia mais: A segurança pública e a cidade

Mas uma cidade não precisa estar nem perto de ser tão segura quanto o Japão para colher grandes benefícios da segurança pública. A cidade de Nova York é a cidade grande mais segura da América, e tem os bairros mais caminháveis, densos e vibrantes do país. Na verdade, há um círculo virtuoso entre segurança pública e caminhabilidade densa — quanto mais pessoas estão andando por aí, mais há “olhos na rua” para desencorajar o crime, o que por sua vez faz com que mais pessoas se sintam seguras para andar ali.

Uma segunda coisa que torna as cidades japonesas incrivelmente habitáveis é o baixo ruído. Isso não é apenas em função da cultura; é o resultado de uma política governamental deliberada.

Na cidade de Nova York, mesmo em áreas de densidade mais baixa como o Brooklyn, é comum ouvir o barulho alto de caminhões de entrega através de suas janelas e paredes de manhã cedo. No Japão, existem regulamentos sobre o quão barulhentos os caminhões e outros veículos podem ser. Uma maneira dos caminhões minimizarem o ruído é usar carrinhos manuais em vez de máquinas para descarregar caminhões; isso aumenta os custos, mas permite que as pessoas durmam mais. Também existe uma tonelada de tecnologias caras, mas eficazes, para motores, pneus, etc. que as empresas usam para atender às leis de ruído.

Os prédios japoneses mais novos, ao contrário da maioria dos prédios em NY ou em outras cidades americanas, são projetados para serem à prova de som. Existe uma vasta gama de tecnologias usadas para bloquear a entrada do som nos apartamentos das pessoas — paredes de concreto, azulejos acústicos, camadas de parede e piso à prova de som, vidro duplo nas janelas, e assim por diante. Tudo isso adiciona custo, é claro, mas os custos de construção japoneses são menores que os custos dos EUA por uma variedade de outras razões, então o preço geral ainda é baixo.

Ruídos extremamente baixos fazem com que viver em um apartamento pequeno em Tóquio pareça muito mais aconchegante e pacífico do que viver em um apartamento muito maior no Brooklyn. Uma razão pela qual os norte-americanos temem viver em grandes cidades é o barulho constante; em um apartamento japonês moderno, você está em um casulo tranquilo.

O Japão também tende a ter muitos espaços públicos muito agradáveis onde as pessoas podem andar. Estes incluem parques urbanos, que tendem a ser muito bonitos.

Yoyogi Park, Tóquio. Foto: jpellgen/Flickr

Muitas ruas largas também têm calçadas muito amplas, protegidas do tráfego por árvores, corrimãos e várias estruturas. Existem grandes praças abertas na frente e dentro das estações de trem. Muitos empreendimentos comerciais, como Roppongi Hills ou Midtown, têm grandes praças que funcionam como espaços públicos de encontro. E as cidades japonesas estão repletas de espaços comerciais públicos em vielas, porões de estações de trem, arcadas comerciais cobertas e até mesmo passagens subterrâneas de rodovias. Qualquer bairro residencial em Tóquio provavelmente terá alguns desses espaços por perto.

Mercado Ameya-Yokochō, Tóquio. Foto: IQRemix/Flickr

E, claro, existem os trens. O Japão tem, provavelmente, o melhor sistema de trem do mundo. Em grandes cidades como Tóquio, o sistema é tão denso que você raramente está a mais de 10 minutos a pé da estação de trem mais próxima. Pegar um trem geralmente é mais rápido do que pegar um Uber ou táxi, e muito mais barato. Um bom sistema de trem significa que você não está preso em seu pequeno bairro; com pouco tempo de viagem, você pode ir para uma área completamente nova e andar por aí. Claro, a segurança pública torna os trens uma experiência agradável e segura, e os vagões e estações de trem em si fornecem espaços públicos onde você pode ver pessoas, conhecer pessoas ou até mesmo passar o tempo.

Todo esse espaço público faz uma coisa — faz o mundo fora do seu apartamento parecer grande e acessível.

Viver dentro versus viver fora

Em seu famoso livro “Bowling Alone”, o sociólogo Robert Putnam documentou como os norte-americanos começaram a “se esconder” dentro de suas casas, evitando contato com o mundo exterior. Ele atribuiu parte disso à crescente diversidade racial da América, mas quantitativamente, isso foi apenas uma parte muito pequena do efeito. Acredito que o ambiente construído na América seja um fator muito maior.

Na América, você vive principalmente dentro. Normalmente isso significa dentro de sua casa, seu carro ou seu escritório. Às vezes, significa dentro de um shopping ou loja de grande porte ou um grande restaurante até o qual você dirige. Mas isso significa que você está quase sempre confinado dentro de um espaço, que muitas vezes contém apenas você, e geralmente contém apenas um conjunto de rostos familiares.

No Japão, por outro lado, você vive principalmente do lado de fora. Você passa muito tempo caminhando, vendo — ou, se não for tímido, conhecendo — estranhos, descobrindo novos lugares para comer e fazer compras, desfrutando dos agradáveis espaços públicos que um governo competente e um setor privado inovador e bem regulamentado têm fornecido para você. Você pode voltar para um apartamento pequeno, mas a menos que você seja um hikikomori (alguém que opta por um isolamento social severo), você não fica lá; sua vida real é vivida do lado de fora. E quando você passa um tempo dentro do seu apartamento ou casa, é tranquilo e aconchegante, mesmo que você esteja bem no meio da maior cidade do planeta.

Isso é o que torna tolerável viver em um apartamento pequeno no Japão e — se você for jovem — até mesmo divertido. Você não vive realmente na cápsula. Você vive em todo o Japão.

Eu não acho que as cidades americanas serão capazes de replicar esse nível de caminhabilidade e prazer urbanos tão cedo. Mas elas não precisam. Nova York, a coisa mais próxima que a América tem de Tóquio, consegue alcançar algo quase tão bom. Sua segurança pública é decente, seus trens são razoáveis e muitos bairros têm mercearias e pequenos restaurantes de bairro.

E milhões de norte-americanos adoram viver em Nova York! O aluguel é astronomicamente alto em Nova York não apenas porque é onde muitos empregos estão, mas também porque se você quiser viver em uma cidade razoavelmente segura, densa, caminhável e com uso misto na América, é para lá que você vai. Norte-americanos em outras partes do país que tremem de medo da “manhattanização” sempre que um prédio de apartamentos é construído em seu bairro deveriam perceber que Manhattan está entre os espaços de vida mais desejáveis e procurados de todo o país.

O que a América realmente poderia fazer — e o que está ao nosso alcance criar — são algumas Manhattans a mais. Com um pouco de trabalho duro, dedicação e visão, cidades quase densas como San Francisco, Chicago e Seattle poderiam replicar grande parte da densidade de uso misto centrada em trens de Nova York. E até Houston, Atlanta e Dallas poderiam construir bairros mais densos e de uso misto se quisessem. O que eles realmente precisam é da visão e do entendimento do porquê viver nesse tipo de bairro é tão bom.

Publicado originalmente em Noahpinion, em março de 2024.

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

Desafios e soluções na concessão de parques

Parques públicos são fundamentais para as cidades e o meio ambiente, mas sua manutenção disputa espaço no orçamento com outras áreas prioritárias, como saúde e educação. Para reduzir despesas, o Poder Público tem realizado parcerias com a iniciativa privada. No entanto, as consequências desse modelo ainda precisam ser melhor avaliadas.

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Márcio disse:
    Seu comentário está aguardando moderação. Esta é uma pré-visualização, seu comentário ficará visível assim que for aprovado.
    Eu aqui vivendo em campina grande – paraíba e achando o máximo viver em uma cidade de porte médio (400mil), cruzar a cidade de leste a oeste em 30min (de carro, nosso sistema de transporte público é ruim, seria 1h30 de ônibus) e ser um polo estudantil. Um apartamento o triplo do tamanho desse de Tokyo é 1000reais, mas também nem se compara à segurança e ao nível de oportunidade pra trabalho de lá. Gostei dessa matéria, pra comparar como é a vida de grandes capitais a um cidade relativamente pequena, como a minha