fbpx
Podcast CP #3 | Direito urbanístico e a função social da cidade

Podcast CP #3 | Direito urbanístico e a função social da cidade

Na nossa terceira entrevista recebemos Victor Carvalho Pinto para falarmos sobre o direito urbanístico e as funções sociais da cidade.

4 de abril de 2019

Neste episódio conversamos com Victor Carvalho Pinto, Consultor Legislativo do Senado Federal na área de Desenvolvimento Urbano desde 2002. Victor atuou na Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Presidência da República, antecessora do Ministério da Cidade, e contribuiu para a elaboração de diversas leis, como o Estatuto da Cidade, a lei da regularização fundiária e a lei de parcelamento do solo.

Na nossa terceira entrevista, falamos sobre o direito urbanístico, as carências dos planos diretores das cidades brasileiras, além das funções sociais da cidade e propriedade.


Ouça:

Disponível também em Apple Podcasts, Breaker, Castbox, Google Podcasts, Pocket Cast ou RadioPublic.

Para fazer o download do episódio, clique aqui.


Links do episódio:

Livro Função Social da Propriedade

A “função social da cidade” no ENEM: um caso de desinformação urbanística

Não existe urbanismo sem direito urbanístico

Livro Direito Urbanístico

A cidade contra seus moradores: o congelamento de imóveis em Porto Alegre

Entrevista exclusiva com Alain Bertaud

É preciso acabar com o subsídio do setor elétrico à ocupação de áreas de risco

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Parabéns pelo trabalho Antonhy, já acompanhava os textos e agora os podcasts vieram para enriquecer as ideias que circulam por aqui.
    Para contribuir com a discussão que se inicia a partir dos 45 minutos do programa, hoje estava lendo uma matéria especial do UOL sobre imóveis ociosos no centro de São Paulo e gostaria de compartilhar.
    Aos 49min o convidado afirma que é preciso pesquisar os imóveis vazios para entendê-los. Segundo a matéria, a prefeitura, junto à academia, está estudando o problema e notificando os proprietários destes imóveis, que são na maioria pessoas físicas e incorporadoras/construtoras e não imóveis de instituições, como alegado pelo convidado. A matéria não esclarece os motivos que levaram os imóveis a ficar ocioso, mas demonstra que a aplicação do IPTU progressivo está, segundo o texto, gerando uma maior movimentação para viabilizar a ocupação dos imóveis.
    Por outro lado, em concordância com o que o convidado afirma sobre a falta de lucratividade da área, na própria matéria, é possível entender que alguns imóveis estão subutilizados como estacionamento ou com ocupação térrea apenas, demonstrando o custo da desvalorização e falta de vitalidade e uso da área.
    Segue o link da matéria: https://noticias.uol.com.br/reportagens-especiais/imoveis-vazios-no-centro-de-sao-paulo-/index.htm#saiba-o-que-e-imovel-ocioso

  • Anthony, sou arquiteto, recém-formado aqui em São Paulo, e venho contestar essa ideia de que o arquiteto se forma hoje sem o entendimento da legislação vigente. No meu círculo, não só da mesma faculdade, a discussão urbanística pautada nas legislações, nos métodos de financiamento e no direito urbanístico foram presentes e quando não, objetos principais durante toda a formação. Pelo menos para a realidade paulistana posso informar que isso é sim um ponto de mudança do que se via há 5 ou 10 anos.
    O urbanismo não só como disciplina tem ganhado força, veja os inúmeros concursos, novamente em SP, voltados para a temática urbana e não só, alguns recentemente até abordando o planejamento territorial estratégico.
    Tive a felicidade de encontrar mestres e uma instituição que vem a cidade e não o edifício, sei bem desse privilégio em relação ao todo, mas queria deixar registrado que essa mentalidade de arquiteto – edifício está se dissipando em detrimento da importância do ensino do urbanismo e da exploração desse tema ainda na graduação. E isso já é um baita avanço , felizmente para as nossas cidades.

    • Tales, obrigado pelo comentário, que fico feliz de ler por ser uma realidade diferente da que eu passei e que percebo nas faculdade aqui de Porto Alegre.

      Se a disciplina tem ganho força nos últimos 5-10 anos, justamente a faixa de tempo desde que me formei, certamente é um ponto a se comemorar.

      Grande abraço,
      Anthony