Entrevista exclusiva com Patrik Schumacher, sucessor de Zaha Hadid

Atual diretor da Zaha Hadid Architects (ZHA), renomado estúdio de arquitetura de Londres. (Foto de imprensa)

Líder do Zaha Hadid Architects, Patrik Schumacher é considerado um dos mais notáveis arquitetos e teóricos contemporâneos. Professor acadêmico há mais de 20 anos, é autor de diversas publicações, incluindo os dois volumes do livro The Autopoiesis of Architecture.

Em 2016, seu nome ganhou o mundo pelo controverso “Manifesto de Políticas Públicas”, apresentado no Festival Mundial de Arquitetura em Berlim. Nele, Patrik expôs suas polêmicas propostas para as políticas urbanas e o futuro das cidades, tais como a privatização dos espaços públicos e a eliminação de programas públicos de habitação.

Nesta entrevista exclusiva, conversamos sobre a atual crise habitacional de Londres, o mercado imobiliário, o desenvolvimento desregulamentado, as críticas às suas ideias de planejamento urbano e as discussões na mídia sobre suas ideias.

Leia a entrevista na íntegra:

 

Caos Planejado: Qual sua explicação para a atual crise imobiliária em Londres, e como solucioná-la?

Patrik Schumacher: A crise imobiliária é uma crise de acessibilidade causada pelas restrições de oferta do governo. Por que estamos sofrendo com a falta de moradia, enquanto ninguém precisa se preocupar com a escassez de bananas, uma crise de bicicletas ou a escassez de automóveis? A explicação é que o mercado imobiliário, em contraste com o mercado de bicicletas, é altamente politizado, isto é, sofre com a interferência maciça do estado, o que impede que esse mercado funcione. Precisamos quebrar essas correntes e liberar o mercado imobiliário. De fato, precisamos liberar todo o mercado imobiliário e permitir que todas as decisões de desenvolvimento urbano sejam determinadas por processos de mercado, permitindo que critérios econômicos, e não políticos, orientem a alocação de recursos de terra, capital e mão-de-obra.

CP: Alguns críticos explicam os altos preços imobiliários em Londres através do aumento de grandes fundos detentores de inúmeros prédios em toda a cidade, bem como estrangeiros ricos que compram imóveis de luxo como suas segundas ou terceiras casas para deixá-las vazias a maior parte do ano. Quanto você acha que isso afeta os preços dos imóveis em comparação com os motivos sobre os quais você tem escrito até então?

PS: A primeira premissa do aumento dos preços é a demanda. Essa demanda vem de pessoas talentosas atraídas pelo estilo de vida de Londres e por oportunidades de trabalho de alto valor. Londres é um potente centro industrial criativo que atrai talentos de todo o mundo. Isso deve ser muito bem-vindo. Implica em uma cidade em crescimento com a necessidade de um estoque crescente e aprimorado de moradias. Essa construção precisa ser financiada e os investimentos estrangeiros devem ser muito bem-vindos, pois os recursos necessários não estão disponíveis localmente. Também deve ser bem-vindo que as elites globais estejam considerando Londres como sua segunda ou terceira casa. Isso só pode aumentar a atratividade e os negócios de Londres. Sem restrições de fornecimento do governo, toda essa demanda poderia ser atendida com lucro e a modernização geral da cidade e sua prosperidade econômica seriam aceleradas para o benefício de todos. O fato de alguns apartamentos estarem vazios para valorização de investimentos bancários, em vez de serem alugados, é lamentável. No entanto, não acho que isso seja um fator importante e, além disso, acho que é em si uma consequência das restrições do governo. A alta taxa de valorização que viabiliza esse padrão de investimento se deve às restrições de oferta impostas. Além disso, as leis bem intencionadas, mas equivocadas, que protegem os inquilinos, contribuem para o fato dos apartamentos vazios, bem como desencorajam o investimento na compra para a locação, aumentando ainda mais os aluguéis. Para resumir: acredito que os fundos de investimento estrangeiro de desenvolvedores tem uma contribuição positiva e vital para o fornecimento de moradias em Londres. Os investimentos estrangeiros individuais de compradores estão competindo inegavelmente pela demanda, mas, mesmo como usuários em tempo parcial, eles devem ser bem-vindos também como potenciais locadores para sublocações. Manter os apartamentos vazios como investimento é uma anomalia que um sistema de mercado adequado não geraria. De qualquer forma, acredito que esse fator não é quantitativamente significativo.

CP: Londres, assim como outras capitais europeias, é comumente usada no Brasil como referência de planejamento urbano por acadêmicos e especialistas. Algumas das razões incluem o uso misto, edificações de baixa altura, amplo sistema de metrô, preservação histórica e fortes políticas públicas de habitação social. Qual seria a sua principal crítica ao modelo urbano europeu, com Londres como um exemplo principal?

PS: Londres, com seu crescimento implacável, é um exemplo paradigmático do processo de concentração urbana em cidades-hub globais. Essa nova dinâmica urbana não é apenas um desafio como uma tarefa fascinante para os arquitetos, mas requer, em primeiro lugar, novos graus de liberdade para os empreendedores urbanos e seus arquitetos que precisam dessa liberdade para experimentar, descobrir e criar as melhores maneiras de tecer a nova textura urbana e alcançar as potenciais sinergias através de novas justaposições programáticas intrincadas. Somente um processo de mercado desimpedido pode ser um processo de descoberta e ter capacidade de processamento de informações e agilidade para tecer uma ordem urbana viável e complexa para esse novo contexto dinâmico da sociedade. É por isso que os planejadores precisam sair do caminho, não apenas pelo bem da oferta de moradia – mas é claro que a moradia é importante.
Além das restrições gerais de uso e densidade da terra, a imposição de padrões restritivos de habitação é mais um impedimento político contraproducente para a prosperidade da habitação. Os empreendedores urbanos e seus arquitetos não têm espaço para inovação no setor habitacional. Os planejadores impõem usos da terra, o potencial construtivo total e, no caso de usos residenciais, impõem misturas de unidades, ou seja, quantos apartamentos studio, apartamentos de um quarto, apartamentos de dois quartos e apartamentos de três quartos devem ser construídos, quantas unidades podem ser acessadas por meio de um elevador. Eles impõem tamanhos mínimos de unidades para cada categoria, tamanhos de quartos mínimos para todos os quartos, bem como instalações como banheiros, máquinas de lavar, varandas, etc. O plano-diretor geralmente prescreve alturas de edifícios e construções que precisam ser rigorosamente seguidas. As fachadas estão sujeitas a restrições em termos da quantidade de áreas de envidraçamento permitidas, e a articulação arquitetônica e expressão material também estão sujeitas à aprovação dos planejadores. Quase não resta nada para ser decidido pelo empreendedor e seu arquiteto. A concorrência através de inovações criativas de produtos está sendo bloqueada. Os desenvolvedores apenas competem com relação a quem é melhor em negociar acordos com as autoridades de planejamento com consideráveis ​​poderes discricionários para fazer acordos. O conhecimento privilegiado sobre planejadores e conselheiros locais oferece a principal vantagem competitiva aqui. Infelizmente, no sistema atual, é nessas negociações “políticas” que os lucros são feitos ou perdidos, especialmente no que diz respeito à imposição negociada de cotas de moradias populares. Os recursos são, assim, desviados para essas negociações que, na linguagem da economia de escolha pública, devem ser classificadas como esforços de “rent-seeking“. Os beneficiários são interesses especiais protegidos ou privilegiados pelos políticos e seus planejadores. No entanto, a má distribuição total do tempo, trabalho, terra e recursos de capital impõe uma perda na produção social total.
Na situação atual do mercado, a mais problemática dessas imposições é a restrição do número de pequenas unidades permitidas por empreendimento e os tamanhos mínimos de unidades impostos, especialmente para as unidades menores. Atualmente, os apartamentos studio abaixo de 38 m² não são permitidos. No entanto, unidades com metade desse tamanho, construídas em um momento anterior, são raras e, portanto, no momento, estão muito acima do preço e são muito desejadas, tanto para aluguel como para venda. A suspensão dessa proibição permitiria a entrada no mercado de todo um novo grupo de renda (mais baixa), agora excluído. Esse movimento aumentaria o número total de unidades e a acessibilidade.
O fato de que a maioria de nós está disposta a pagar uma grande parte de nossa renda total em nossas casas, até 80% em muitos casos de jovens para os quais uma localização centralizada é vital.
Essa interferência restritiva do estado, tirando muitas opções que, de outra forma, permitiriam ao mercado adequar e otimizar nossas condições residenciais de acordo com nossas necessidades e desejos de vida individuais, é um grande negócio, um empobrecimento real e existencial.


“Meus críticos acham que eu quero eliminar espaços públicos. Não é bem assim, há uma nuance aqui: não estou falando de desmantelar espaços públicos, mas de abolir espaços de propriedade pública. Eu insisto nessa distinção.”


CP: Você foi considerado polêmico e recebeu algumas críticas sobre suas ideias de planejamento urbano pela mídia tradicional e pela academia de planejamento urbano, com ideias como a desregulamentação arquitetônica e o desenvolvimento de partes do Hyde Park. Usando esse espaço como uma oportunidade para se esclarecer, há algum mal-entendido significativo por parte desses críticos? E por que você acha que é visto como polêmico?

PS: Meus críticos acham que eu quero eliminar espaços públicos. Não é bem assim, há uma nuance aqui: não estou falando de desmantelar espaços públicos, mas de abolir espaços de propriedade pública. Eu insisto nessa distinção. Os shoppings e a maior parte do Canary Wharf são espaços públicos, de propriedade privada, administrados e mantidos. A maioria dos museus nos EUA é de propriedade privada, gerenciada e mantida. São espaços oferecidos ao público em geral. Eu acho que todos os espaços públicos podem ser e devem ser de propriedade privada, assim como o Facebook, o Google+ e o Twitter são espaços de comunicação pública gratuitos e fantásticos criados por empreendedores. O espaço público é uma tarefa empreendedora! Deixe os empresários experimentarem e descobrirem usos versáteis, deixe mil flores desabrocharem. A ideia de que todos os espaços devem ser inclusivos e igualmente atraentes para todos é uma terrível falta de bom senso. Os espaços públicos atuais de propriedade pública são espaços insossos e estéreis que servem ao menor denominador comum, evitando ofender o gosto ou a sensibilidade das pessoas. Eles são ambos excessivamente restritivos e excessivamente policiados, ou excessivamente licenciosos e pouco policiados, dependendo dos respectivos desejos de nossos diversos públicos.

CP: Você argumentou que o parametricismo é um “novo estilo global para arquitetura e design urbano” e escreveu sobre “urbanismo paramétrico”. Você poderia dar um exemplo de uma potencial aplicação prática do planejamento urbano paramétrico nas cidades contemporâneas? O urbanismo paramétrico é uma ferramenta que os urbanistas podem usar para projetar cidades melhores? Ou é um novo conceito mais amplo de urbanismo?

PS: A premissa inicial do urbanismo paramétrico é a desarticulação insatisfatória, a falta de identidade e, de fato, o caos visual gerado por processos de urbanização recentes, orientados pelo mercado. A intuição inicial do urbanismo paramétrico foi usar as novas capacidades de ordenação do parametricismo – como gradientes, transições suaves, transformação adaptativa, correlações baseadas em regras entre subsistemas como topografia, rede de caminhos e diferenciação do tecido urbano – conforme o plano-diretor se move nas mãos de arquitetos politicamente poderosos, impondo de cima a desejada ordem urbana complexa e variada. No entanto, tornou-se claro que qualquer abordagem ao urbanismo tinha que trabalhar contra as crescentes liberdades empresariais. Meu conceito atual, portanto, pressupõe o aumento das liberdades empresariais na descoberta de formas de vida urbana e o aumento das liberdades criativas para a tradução espacial dessas ideias empreendedoras pelos seus arquitetos. Como isso pode levar a mais ordem? O processo de mercado é um processo evolutivo que opera via mutação (tentativa e erro), seleção e reprodução. É autocorretivo, autorregulado, levando a uma ordem auto-organizada. Assim, podemos presumir que a alocação do uso da terra e, portanto, a dimensão programática da ordem urbana e arquitetônica, devem ser determinadas pelos clientes privados da arquitetura dentro de um processo de mercado que aloca recursos de terra aos usos mais valorizados.

CP: Dando continuidade a esse tema: em uma conversa com Peter Eisenman, há alguns anos, você usou o termo “urbanização de lixo despejado” para ilustrar o desenvolvimento urbano desregulamentado. Por outro lado, em entrevistas recentes, você também promoveu um mercado imobiliário menos regulamentado. Quais são os principais riscos na desregulamentação do desenvolvimento urbano, e onde você está hoje em relação aos regulamentos urbanos?

PS: Na ausência de coerência estilística e metodológica, não podemos esperar que a ordem programática subjacente entregue pelo processo de mercado desimpedido se torne legível como uma ordem morfológica espacial. O resultado é o caos visual que chamei de “urbanização de lixo despejado”. Para que a ordem visual ressurja – não como formalismo vazio, mas como articulação da ordem programática ilegível baseada no mercado -, devemos presumir um paradigma estilístico e metodológico hegemônico que tenha a versatilidade e capacidade de traduzir a ordem social numa ordem espacial variada, legível e complexa. Um paradigma compartilhado oferece a perspectiva de coerência entre vários autores que trabalham para vários clientes. Nenhuma mão controladora precisa ser pressuposta. Uma ordem visual dependente do caminho e uma identidade urbana podem emergir de baixo para cima se cada intervenção de design individual articular as sinergias locais como afiliações formais através dos novos recursos composicionais versáteis de parametricismo com um ethos de busca de continuidades e ressonâncias. O controle necessário é produzido não através de prescrições, mas através de críticas colegiais e orgulho profissional.

Esse novo e reconhecidamente ambicioso conceito de urbanismo paramétrico pode desenhar e explorar a seguinte analogia poderosa: a analogia do urbanismo paramétrico multi-autor não planejado com uma ecologia multiespécies. Considere as várias características e criaturas dentro de um ambiente natural se unindo para criar uma ordem variada complexa com base em regras – por sua vez, baseadas na complexa interação de múltiplas leis da natureza – que estabelecem correlações sistemáticas entre os vários subsistemas orgânicos e inorgânicos que formam uma paisagem natural. A topografia se correlaciona com a trajetória de um rio. O rio, juntamente com a topografia e a orientação solar, diferencia a flora, e a diferenciação da flora – juntamente com o rio e a topografia – moldam a diferenciação e distribuição da fauna, que por sua vez volta a impactar na flora e muitas vezes também nos rios e até na topografia. Enquanto a causalidade é complexa e difícil de desvendar, correlações e, portanto, potenciais de inferência estão sendo estabelecidos em todas as direções, e dão informações àqueles que querem navegar em tal paisagem. A chave aqui é o acúmulo de correlações e associações (independentemente da causalidade subjacente). Cada nova espécie de planta ou animal prolifera de acordo com suas próprias regras de adaptação e sobrevivência. Por exemplo, o musgo cresce diferencialmente na superfície da rocha de socalcos em certas encostas sombreadas, isto é, dependendo do padrão de superfície, orientação do sol, formação rochosa de auto-sombreamento, etc. Uma população de certas espécies de aves pode então se estabelecer nessas encostas de acordo com isso, etc. Da mesma forma, o parametricismo prevê a construção de um ambiente urbano densamente dividido por meio de intervenções arquitetônicas diferenciadas, baseadas em regras, que são projetadas através de roteiros que formam os novos subsistemas arquitetônicos, assim como uma nova espécie se instala em um ambiente natural. Esse processo oferece uma rica diversidade, mas totalmente correlacionada, se projetada de acordo com as heurísticas do parametricismo. Cada novo arquiteto/autor pode ser unicamente criativo ao inventar e projetar as regras/roteiros de seu projeto e participar de sua maneira única no desenvolvimento de uma ordem urbana diversificada e rica em informações. A analogia também se estende à navegação em ambientes baseados em regras: a orientação intuitiva do urbanista dentro de um ambiente urbano paramétrico funciona de forma análoga à cognição animal/navegação em um ambiente natural.

CP: Sua prática arquitetônica é forte na promoção do uso de tecnologia em arquitetura e construção. No entanto, para transformar conceitos arquitetônicos de vanguarda em realidade, muitos de seus projetos têm custos de construção mais altos do que a média. Como você vê a tecnologia sendo um fator na redução dos custos de construção, e em que tipo de projetos você está envolvido com esse objetivo?

PS: Em primeiro lugar, a economia nunca pode ser reduzida apenas ao custo. Devemos sempre relacionar os custos aos benefícios e a suposição aqui é que a versatilidade articulatória e a adaptabilidade afiliativa agregam benefícios de funcionalidade social, incluindo benefícios de legibilidade. Dito isto, insisto que, no lado do custo, o parametrismo também oferece vantagens de funcionalidade técnica, que acabarão por aparecer como vantagens de custo. O parametricismo é o único estilo contemporâneo que é totalmente compatível com os avanços de engenharia computacionalmente empoderados dos últimos anos. A otimização e adaptação de granulação fina de sistemas estruturais para carregar diferenciações levará à redução de tonelagem e custo. Similarmente, a adaptação diferenciada da forma de construção, perfurações e elementos de sombreamento a parâmetros ambientais como exposição ao sol, vento e chuva, levarão à eficiência nos custos de operação e economia de material nos sistemas. A suposição aqui é que, uma vez que os investimentos atuais na produção de fábricas e robótica tenham sido generalizados, a complexidade geométrica vem quase de graça, ao mesmo tempo em que proporciona economia de material. Atualmente, estamos olhando para a pré-fabricação modular para construção de casas no segmento de co-living, e nossa ideia está aqui para trabalhar com módulos ou unidades parametricamente variáveis ​​ao invés de rigidamente serial.

CP: Que conselho você daria a jovens arquitetos ou entusiastas urbanos que leem este site? Há algum livro ou artigo que você recomendaria especificamente?

PS: Para os arquitetos e designers urbanos entre os seus leitores, eu recomendo juntarem-se ao mundo Grasshopper e investir em habilidades de roteirização. Para aqueles que são inclinados à teoria e desejam obter uma visão poderosa sobre sua disciplina e suas tarefas históricas, eu gostaria de recomendar meu tratado de dois volumes: “O Autopoiese da Arquitetura”.

Entrevista realizada no dia 9 de agosto, por e-mail. Traduzida para o português por Gabriel Lohmann, com revisão de Anthony Ling.

  1. Sandra Axelrud

    A ideia do desenvolvimento da cidade menos regulamentado, de que as forças econômicas e sociais definem para onde a cidade quer se desenvolver, de que o Estado não tem saber ou legitimidade para determinar nossas cidades, de que o Estado não pode desenhar a construção…são conceitos essenciais aos arquitetos, “urbanistas”, cidadãos e gestores públicos. O espaço público é o espaço do public realm, dos atos do homem que quer deixar seu registro na história. Ele não precisa ser de propriedade do Estado.

    Responder

Deixe um comentário