fbpx
É preciso reformar (e não demolir) os assentamentos informais
Imagem: Second-Half Travels/Flickr.

É preciso reformar (e não demolir) os assentamentos informais

Reformar, em vez de demolir, está se tornando a principal resposta do governo para lidar com assentamentos informais em muitas nações.

4 de novembro de 2021

Estima-se que mais de um bilhão de moradores urbanos vivam em assentamentos informais. Estes aumentaram em resposta ao rápido crescimento populacional e à falta de alternativas acessíveis e de melhor qualidade. Eles são “informais” porque não estão em conformidade com os regulamentos governamentais. A resposta oficial geralmente era intimidar ou, se não fossem muito visíveis, ignorá-los.

Mas, nos últimos 50 anos, muitos governos locais e alguns governos nacionais reconheceram sua importância para abrigar a maior parte da população de baixa renda e da força de trabalho, junto com muitos empreendimentos. Em vez disso, eles se voltaram para a renovação.

Entre as primeiras iniciativas desse tipo estava o programa de melhoria de kampung (vila urbana) em Jacarta e o apoio presidencial para “cidades jovens” no Peru no final dos anos 1960.

Infelizmente, ainda existem muitos exemplos de demolição de assentamentos informais, mas projetos de requalificação estão deixando de ser raras iniciativas inovadoras para ser uma resposta do governo.

Planejando as reformas

O planejamento das requalificações é bem diferente do convencional. Para começar, o terreno já está ocupado e grande parte da habitação e do traçado do terreno infringem as normas oficiais. Os moradores costumam querer ficar em suas casas durante a reforma, não tendo alternativas, o que dificulta a construção.

Deve-se chegar a um acordo sobre “repovoamento” para criar acesso e estradas internas junto com dutos, esgotos e drenos, e como atender às necessidades dos residentes cujo lote, ou parte dele, é necessário para isso.

As diferentes maneiras de promover as reformas

Existem diferentes alternativas para a condução desse tipo de projeto, que impactam no resultado final:

(1) Reforma que é, na verdade, despejo

Os residentes são expulsos de suas casas sem ajuda para encontrar acomodação temporária. Eles não são capazes de acessar as habitações “melhoradas” nem de pagar despesas como o abastecimento de água.

(2) Melhoria rudimentar

Algumas intervenções básicas e de baixo custo, como torneiras comunitárias, podem ser instaladas.

(3) Reformas mais completas

Isso inclui água encanada e banheiros em todas as casas, juntamente com eletricidade e estradas de acesso asfaltadas. Há pouca consulta com os residentes, mas as melhorias geralmente são bem-vindas, a menos que os residentes não possam pagar as novas taxas.

(4) Reforma abrangente liderada pelo governo

Aqui, é oferecida a regularização do terreno e uma gama completa de infraestrutura e serviços para moradores e empresas. Os residentes são consultados. Para os inquilinos, existe a preocupação com o aumento dos aluguéis.

(5) Reforma abrangente liderada pela comunidade

Isso traz melhorias físicas comparáveis ​​àquelas em (4), mas com as organizações comunitárias no centro do planejamento e da implementação.

Existem muitos exemplos realizados por federações de moradores de favelas, afiliadas da Slum Dwellers International (SDI). Na Tailândia, tais iniciativas têm sido apoiadas pelo Instituto de Desenvolvimento de Organizações Comunitárias (CODI) do governo nacional.

(6) Reforma abrangente liderada pela comunidade com lentes de resiliência

Como em (5), mas com maior atenção à antecipação, avaliação e preparação para os riscos relacionados às mudanças climáticas, como eventos extremos acontecendo com maior frequência e intensidade. Os assentamentos informais geralmente estão localizados em terras com alto risco de inundações e deslizamentos de terra.

(7) Reforma transformativa

Como em (6), mas considerando os resultados de baixa pegada de carbono.

Tudo depende de como o governo se relaciona com os residentes

A natureza do envolvimento do governo com os moradores envolvidos na reforma determina o que é feito ou não. Para as primeiras quatro formas de modernização, geralmente é o governo local que planeja e gerencia o processo. Para os três primeiros, a manutenção pode ser um problema se nenhuma provisão for feita.

Para uma reforma abrangente (4), existe um forte compromisso do governo. Os assentamentos gradualmente se tornam “formais” à medida que as autoridades municipais fornecem serviços como policiamento, iluminação pública e coleta de lixo sólido, de modo que se tornem parte da cidade “formal” e sujeitos ao seu planejamento.

A reforma abrangente liderada pela comunidade (5) inclui o apoio governamental para organizações comunitárias, desde a coleta de dados e planejamento até a implementação.

Existem exemplos de forte apoio do governo local para a reforma liderada pela comunidade com uma lente de resiliência (6) com parcerias eficazes entre a comunidade e o governo local ajudando a uma maior resiliência.

Há uma grande sobreposição entre uma reforma de boa qualidade e uma maior resiliência a eventos climáticos extremos. A reforma transformativa (7) também se beneficia dessas relações com o apoio do governo nacional.

Envolvendo os moradores

A primeira etapa da reforma é obter os dados e mapas necessários para o planejamento. As 32 federações de moradores de favelas afiliadas da SDI desenvolveram a capacidade de realizar enumerações muito detalhadas de assentamentos informais cobrindo cada família. Eles fornecem a base de informações para o planejamento de iniciativas de reforma e negociação com os governos locais.

Enumerar os assentamentos não é fácil — especialmente se as casas não tiverem endereços e não houver mapas ou nomes de ruas. Os residentes podem ser hostis aos entrevistadores, temendo que as informações sejam usadas para servir a interesses “imobiliários”.

Assentamentos em Bangkok.
Favela à beira do rio em Bangkok, Tailândia. (Imagem: Nathan Rupert/Flickr)

Esses medos são mais facilmente superados se os entrevistadores forem residentes e os demais moradores forem mantidos informados para que se sintam parte do processo.

As enumerações baseadas na comunidade da SDI envolvem os moradores para que todos saibam o que está sendo feito. São realizados por residentes, orientados por lideranças comunitárias. As fundações dessas organizações e federações comunitárias são os grupos de poupança comunitários, compostos principalmente por mulheres.

As pesquisas são muito detalhadas, por exemplo, os dados coletados sobre a qualidade da água normalmente perguntam sobre o

• Principais fontes de água da família (nove possibilidades

• Número de torneiras individuais, comunitárias e compartilhadas; funcionalidade e qualidade da água

• Gastos com água

• Tempo necessário para coletar água e

• Disponibilidade de água.

Outros aspectos relevantes são abordados com o mesmo nível de detalhamento. E, ao contrário das pesquisas convencionais, há espaço para os entrevistados expressarem suas prioridades. As equipes relatam os resultados aos residentes, o que gera mais discussão sobre suas necessidades e prioridades. Eles fornecem dados de que os governos locais precisam.

Exemplos de reforma liderada pela comunidade

Em Gobabis, Namíbia, um programa para a Praça da Liberdade, um assentamento informal com 4.173 habitantes em um local de 60 hectares, foi liderado pela Shack Dwellers Federation of Namibia, trabalhando com o Namibian Housing Action Group e autoridades municipais. Os custos de modernização foram um quinto dos das abordagens convencionais, portanto eram acessíveis para muito mais famílias.

Na Tailândia, o CODI financia e apoia organizações comunitárias formadas por residentes para planejar e administrar a reforma de seu assentamento. Mais de 100.000 famílias foram beneficiadas por este programa.

Um programa em Mukuru, um dos maiores assentamentos informais de Nairóbi, liderado pela Federação dos Sem-Teto do Quênia (Muungano wa Wanavijiji), tem uma dimensão incomum (cerca de 100.000 famílias) e seu envolvimento com todas as partes interessadas que buscam gerar consenso.

Resumindo

A reforma, se bem feita, transforma a moradia e as condições de vida.

Mas uma melhoria bem-sucedida geralmente inclui (e depende de) relações muito melhores entre os residentes de assentamentos informais e o governo local. A melhoria bem-sucedida geralmente inclui parcerias com o governo local, como nos exemplos dados acima.

A reforma deve incluir todos os departamentos do governo local para evitar conflitos de interesse, como uma divisão de infraestrutura com a intenção de limpar assentamentos informais para a expansão de estradas enquanto o departamento de planejamento está desenvolvendo programas de reforma.

Esses relacionamentos alterados podem fornecer a base a partir da qual outras necessidades podem ser atendidas.

Artigo publicado originalmente em International Institute for Environment and Development (IIED) em 5 de outubro de 2021

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A matéria não fala nada sobre o enorme mercado de inquilinos que só conseguem viver nas favelas, por não possuírem condições de contratarem um aluguel na cidade formal. É possível estimar que mais de 40% das precárias moradias sejam alugadas nas favelas. Os investidores na maioria dos casos não residem na favela e estas unidades, estão na mão de poucos proprietários, que assumiram o risco de ” investirem” na favela. O Estado não pode assumir reformas nestas moradias sem custo para os proprietário, que com as melhorias, aumentará o valor do aluguel. Este assunto não pode ser ignorado.

    • Oi Davi, obrigado pela leitura e pelo comentário. Respondo aqui como editor da página. Realmente, o artigo foca na questão específica de remoções e demolições de assentamentos. Você teria referências em relação a este dado de 40% das moradias alugadas e que os investidores não moram nas favelas? Seria interessante nos aprofundarmos neste tema em algum momento por aqui.

      Anthony