O urbanismo radical de Patrik Schumacher, sucessor de Zaha Hadid

urban-field

Qual é o urbanismo radical de Patrik Schumacher? Aqui estão suas ideias como as entendi, pinçadas de leituras dos artigos quase impenetráveis de Schumacher.

Schumacher acredita que arquitetura e desenho urbano estão em uma encruzilhada. Os estilos que animaram o século XX estão mortos, porque dependem muito do planejamento centralizado (o tipo de zoneamento e design que Jane Jacobs odiava).

O modernismo morreu e foi o último estilo ou filosofia de desenho arquitetônico verdadeiramente coerente. Mas o pós-modernismo não é nada de verdade. Se refere a ele como o “vazamento de lixo” do desenho urbano – onde qualquer processo resulta em uma desordem espraiada incoerente. Muitas cidades modernas americanas são como um Frankenstein de planejamento centralizado nefasto e vazamento de lixo desestruturado.

Ele então propõe Design Paramétrico, um novo e – para Schumacher – coerente estilo de design do século XXI. Parametrização é a adaptação consciente de ideias sobre teorias de sistemas complexos aplicadas ao design. Fundamentalmente, design paramétrico é como uma fusão de modelagem baseada no agente com a complexidade de cálculos possibilitada por computadores. Esses modelos dizem respeito a amarrar elementos ao invés de impor uma visão de cima.

Com tantas dependentes variáveis, tal design leva em conta formas quantitativamente diferentes quando se manipula variáveis independentes. É como a “emergência” nos sistemas biológicos.

Design paramétrico torna os planos facilmente editáveis e manipuláveis mesmo após a construção ter começado. Pode ligar também dados não-tradicionais com variáveis de design, como o mapa de calor dos raios solares sobre uma cidade. O mapa de calor poderia, então, ser usado para determinar limites de altimetria de modo que canalizasse luz solar através do design.

Schumacher consistentemente chama o design paramétrico de “urbanismo radical de livre mercado”. Entende de modo profundo os riscos epistemológicos do planejamento centralizado e por que planejamento em excesso é um paradigma falido.


“O segredo de Schumacher foi ter um desenho urbano abrangente via parametrização que cria as condicionantes necessárias para que um urbanismo de mercado ‘não-planejado’ aconteça com sucesso.”


Os mercados e a livre troca são um “robusto sistema de processamento de informação” – o melhor que os humanos encontraram até hoje. Cidades também são, em última instância, sobre informação estruturada. O ambiente construído incorpora gerações de aprendizados da humanidade, a evolução da comunidade refletida em suas ruas e paredes, e a estruturação deliberada de humanidades através da arquitetura.

A “rede econômica pós-fordista”, como Schumacher se refere ao século XXI, é sobre densas redes de comunicação. Tecnologias digitais avançam muito em nos conectar, mas haverá sempre demanda por ambientes construídos que também densifiquem a conexão humana. Schumacher acredita que o trabalho do arquiteto visionário é desenhar tais ambientes.

Apesar da linguagem livre-mercado de Schumacher, ele rejeita a ideia de planejamento de tudo por todos. Esse é o vazamento de lixo. Por analogia, pode-se imaginar o vazamento de lixo como um libertarianismo não sofisticado que coloca cada indivíduo como entidade soberana que deve independentemente contratar todos serviços/direitos/proteções.

O segredo de Schumacher foi ter um desenho urbano abrangente via parametrização que cria as condicionantes necessárias para que um urbanismo de mercado “não-planejado” aconteça com sucesso.

Qualquer um familiar com sistemas complexos pode ver a conexão aqui. O emergente demanda condicionantes para os agentes num sistema. Um mercado funcional requer leis e regulações que permitam a cooperação social. Um ambiente urbano funcional requer um esquema paramétrico que permita o “urbanismo radical de livre mercado” ocorrer.

Considero os argumentos de Schumacher convincentes. A economia passa por uma similar mudança de um reducionismo quase-Newtoniano a uma complexidade e emergência através do trabalho de locais como o Santa Fe Institute. A Física já avançou nesse caminho e há sinais de que a Ciência Política e o Direito poderiam seguir o mesmo rumo, com personalidades como Oliver Goodenough modelando com sucesso contratos como sistema computacional. Por que não a arquitetura também?

Talvez a complexidade se apoderará de tudo. Veremos os trabalhos primários dos seres humanos de encontrar maneiras de estruturar nosso ambiente – legalmente, arquitetonicamente, politicamente – de modo que se permita a emergência positiva complexa, conexões densas e cooperação social.

Este artigo foi originalmente publicado no site Market Urbanism em 19 de maio de 2016. Foi traduzido por Lucas Magalhães, revisado por Anthony Ling e publicado neste site com autorização do autor.

  1. Wagner

    Excelente, parabéns pelo blog!

    Responder
  2. Bom Samaritano

    Confuso esse texto. Não entendi essa ideia de parametrização. Tem algum exemplo prático disso? Outra coisa, os defensores do liberalismo, em geral, odeiam a linguagem empolada dos seus concorrentes, estes a usam para passar uma pseudo erudição tendente a inibir o debate. Vocês, se liberais, deveriam ter uma preocupação com isso.

    Responder
  3. José

    Sugiro refazer este artigo, ficou muito ruim. Texto muito confuso. Concordo com o comentário do Bom Samaritano.

    Responder

Deixe um comentário