Afinal, por que construímos cidades?

Plano urbano de Atenas, datado de 1884. Imagem extraída enciclopédia alemã Meyers. (Fonte: Martin Baldwin-Edwards/Creative Commons)

Plano urbano de Atenas, datado de 1884. Imagem extraída enciclopédia alemã Meyers (Fonte: Martin Baldwin-Edwards/Creative Commons)

 

É estranho que em toda a literatura sobre urbanismo e vida urbana, poucas pessoas se perguntem por que os humanos construíram cidades. O que parece é que, em primeiro lugar, para realmente saber o que fazer com a cidade, temos de começar por saber por que ela está lá. De alguma maneira, as cidades estão tão profundamente enraizadas na história da humanidade que nunca chegamos a nos perguntar por que vivemos nelas.

Talvez a melhor maneira de começar é olhar para o que seria a vida se não existissem cidades. Vamos supor que todos nós vivêssemos em nossas próprias propriedades, assim como alguns de nossos ancestrais fizeram (isto é mais verdadeiro na América do que em outros lugares). Acordaríamos pela manhã, trabalharíamos na propriedade, comeríamos as nossas refeições em casa, seríamos responsáveis pelo nosso próprio entretenimento, e ao fim do dia iríamos dormir, sem deixar a propriedade.

Mas poderíamos nos organizar em indústrias avançadas? Poderíamos construir fábricas próprias, onde nos levantaríamos pela manhã trabalharíamos na fábrica durante o dia e dormiríamos na fábrica à noite, com outros milhares de trabalhadores. (Isto é o que os primeiros planejadores socialistas, como Charles Fourier, propuseram fazer com sua Phalanstère. Ele falhou miseravelmente.) Mas isso ainda seria um estilo de vida muito cru, e não é muito agradável viver em uma fábrica. Então, em vez disso, provavelmente, queremos viver em uma casa, e depois caminhar até a fábrica e de volta. Assim como nossos companheiros de fábrica, cada um quer sua própria casa.

Mas e se cansássemos do nosso entretenimento em casa? Depois da fábrica, poderíamos querer jantar fora em um lugar com cozinheiros melhor do que nós, e ir para um show com pessoas que são melhores artistas. São dois locais diferentes que precisaríamos adicionar à nossa rede de destinos. Esses locais seriam importantes para nós porque queremos formar um relacionamento com eles. Uma vez que eles podem fazer algo diferente do que nós, eles são complementares para nós.

Até o atual momento, nossa paisagem de grandes propriedades foi dividida em uma paisagem espalhando-se em diferentes zonas, um pouco como Frank Lloyd Wright propôs que Broadacre City fosse. Mas como tudo está tão distante de tudo o resto, é caro formar muitos relacionamentos. Quanto mais juntos formamos os diferentes espaços (diferenciados), mais relações podem se formar entre eles ao mesmo custo. E então organizamos tudo da maneira mais próxima e confortável possível, e agora temos uma vasta seleção de fábricas diferentes, restaurantes e entretenimento para escolher. As cidades, em última análise, tornam possível a diversidade. Por que as cidades mais densas do mundo, como a margem esquerda de Paris ou também Manhattan em Nova York, são as mais caras? Por que as pessoas mais ricas escolheriam viver lá na proximidade próxima de outras, quando podem se dar ao luxo de viver em qualquer lugar? Porque é aí que há a maior diversidade de relacionamentos que eles podem formar.

 

Então, tendo decidido que é uma boa idéia para estarmos juntos, há algum meio alternativo de conseguirmos isso? Poderíamos encomendar a um grande arquiteto que nos construísse uma gigantesca estrutura que nos condensasse em um enorme edifício. Mas o que lhe diremos que precisamos construir? E onde nós viveríamos até que fosse feito? Este projeto encontraria o inevitável problema do caos programático: um arquiteto só pode começar seu trabalho quando sabemos o que queremos dele para esta construção. Podemos precisar de uma casa com três quartos e uma cozinha ampla, e, portanto, dizer isso a um arquiteto e ele nos constrói esta casa. Mas isso pode se aplicar à escala de uma cidade inteira? Na realidade, não temos certeza do que precisamos neste momento, e certamente não sabemos quais serão as nossas necessidades daqui a uma década. Uma infraestrutura para um milhão de pessoas vai demorar muito para ser construída. E onde viveríamos até que a coisa esteja pronta para habitar?


“Quando olhamos para a ficção científica, muitas vezes vemos imagens de enormes estações espaciais do tamanho de cidades, brilhando suavemente em círculos perfeitos ou outros. Mas essas gigantescas estações espaciais inevitavelmente também correriam para o caos programático”


As cidades resolvem estes problemas dividindo este enorme sistema em células individuais que podem ser adicionadas ou removidas em praticamente todas as escalas. Se a população sobe, nós construímos mais casas. Se cair, reduzem-se os espaços habitados. Se decidimos que, na verdade, as pistas de boliche não são mais tão legais, removemos as pistas de boliche e construímos escolas em seu lugar. Mas é sempre no momento presente que sabemos o que é extremamente necessário, e só podemos conhecê-lo avaliando em que consiste a cidade em seu estado atual. O programa, as necessidades que um edifício é projetado para aguentar, só podem ser determinados para projetos de pequena escala. Uma casa, uma escola, uma loja podem ser descritas em grandes detalhes com base em nossas experiências anteriores com estes e sua interação na malha complexa da cidade. Mas quanto maior o prédio é, digamos, um grande arranha-céu, mais difícil é defini-lo claramente, então o que vemos é que os arranha-céus normalmente são feitos para ser um espaço genérico que será mais tarde preenchido com atividades concretas uma vez O arranha-céu está completo, vários anos depois de ser projetado.

O caos programático com o qual devemos viver em uma sociedade complexa significa que não podemos construir estruturas enormes de uma só vez, devemos construí-las em sistemas de realimentação, construindo cadeias de pequenas estruturas que se conectam, cada nova estrutura corrigindo o desequilíbrio que era Percebida no último sistema. Então, se eu me mudar para uma cidade nova e não conseguir encontrar uma casa ao meu gosto, eu posso comprar um lote vazio e construir um, ou construir um em um edifício abandonado ou desmoronando, corrigindo dois desequilíbrios de uma vez. E enquanto eu tento conseguir um novo emprego ou iniciar um negócio as indústrias da cidade vai mudar também, e pode precisar de diferentes edifícios e lugares diferentes para colocá-los. Mas este é um trabalho que é inteiramente diferente do trabalho da arquitetura.

Isso significa que o modelo de planejamento urbano do século XX introduzido por Le Corbusier e o CIAM não só foi um enorme erro, mas também tentou destruir o que torna as cidades úteis em primeiro lugar, o fato de que elas podem lidar com a incerteza do nosso futuro, transformando-se enquanto permanecer funcional através desta transformação. Isto é o que os torna sistemas complexos como as estruturas orgânicas do mundo natural. Eles são multicelulares, são capazes de crescimento e adaptação mudando essas células e, uma vez que se transformam para enfrentar a incerteza, são estruturas imprevisíveis e emergentes.

Quando olhamos para a ficção científica, muitas vezes vemos imagens de enormes estações espaciais do tamanho de cidades, brilhando suavemente em círculos perfeitos ou outros. Mas essas gigantescas estações espaciais inevitavelmente também correriam para o caos programático, então o que veríamos na realidade seriam provavelmente estações com um monte de “crescimento suburbano” anexado a elas como pioneiras das extensões do espaço construído para compensar a falta de omnisciência dos designers das estações. A melhor coisa a fazer, é claro, seria construir cidades espaciais, estações espaciais que pudessem funcionar em qualquer escala e crescer e encolher, e a construção dessas cidades espaciais teria que empregar muitas das técnicas usadas por construtores de cidades aqui no Planeta Terra.

Portanto, o que aprendemos de todos esses exercícios filosóficos é que o urbanismo é uma disciplina bastante importante, que é completamente diferente da arquitetura e que representa em si mesma uma forma muito importante de tecnologia para a humanidade.

 

Este artigo foi originalmente publicado no site Emergent Urbanism em 29 de outubro de 2007. Foi traduzido por Cauê Marques, revisado por Anthony Ling e publicado neste site com autorização do autor. 

  1. Anônimo

    No trecho “…elas podem lidar com a incerteza do nosso futuro, transformando-se enquanto permanecer funcional através desta transformação. Isto é o que os torna sistemas…” o sujeito é elas ( as cidade), portanto o verbo (permanecer -> permanecem) e o pronome (os -> as) devem combinar com “elas”.

    Responder

Deixe um comentário