fbpx
Engenheiros não deveriam ser os únicos a projetar ruas
Imagem: André Moreira.

Engenheiros não deveriam ser os únicos a projetar ruas

Quando os engenheiros projetam as ruas das nossas cidades, acabamos com a "arte programadora" do urbanismo.

12 de janeiro de 2023

Sou um engenheiro de software (comumente chamado de programador). Criar um software envolve muitas funções diferentes. Empresas diferentes têm funções diferentes e nomes diferentes para as funções, mas tipicamente isso envolve engenheiros de software, gerentes de produto e designers de UX (user experience, ou experiência do usuário).

Cada função tem seus próprios pontos fortes e sua própria responsabilidade. Os gerentes de produto identificam as necessidades do usuário e ditam o que devemos construir. Os designers de UX determinam a aparência do produto — o layout, telas diferentes, texto, imagens, marca, etc. Os engenheiros de software fazem a implementação real: eles resolvem os problemas técnicos necessários para construir o produto.

Geralmente, esse não é um fluxo de comando unidirecional. Os engenheiros se envolvem cedo e influenciam o produto com base na viabilidade técnica, ou os designers de UX podem descobrir que um recurso específico não repercute bem quando mostrado a um painel de pesquisa do usuário. Trabalhamos em equipe e cada um tem o seu papel.

Quando se trata de avaliações de desempenho, cada função é avaliada de forma diferente; os gerentes de produto têm a responsabilidade de criar produtos que os usuários realmente desejam usar, os designers de UX são classificados com base em quão bem eles foram capazes de projetar algo elegante e que repercutiu bem entre os usuários, e os engenheiros de software são classificados com base na execução e nas dificuldades técnicas superadas.

Um produto pode ser um fracasso absoluto para os usuários, mas pode ter havido muitos desafios técnicos difíceis que foram superados pelos engenheiros para construí-lo, então o gerente de produto recebe uma avaliação de desempenho ruim enquanto os engenheiros são promovidos — ou vice-versa se o produto foi um sucesso, mas trivial de construir.

Agora entendemos que cada função tem seus próprios pontos fortes (afinal, alguém que faz tudo costuma não ser bom em nada) e também seu próprio sistema de valores. Todo mundo quer que o produto seja bem-sucedido, mas a prioridade do designer de UX é construir coisas bonitas e, para o engenheiro de software, é provável que seja resolver problemas técnicos.

No mundo do software (mais comumente no mundo dos videogames), quando você permite que os engenheiros de software projetem o visual, chamamos isso de “arte do programador”. Na maioria das vezes, a arte do programador são gráficos que marcam o espaço na tela antes que os artistas possam produzir bons gráficos para o produto final.

Às vezes, a arte do programador é tudo o que você tem quando sua equipe só tem engenheiros.

Alien Blaster 2000
O que acontece quando você não tem artistas. (Imagem: itch.io)

O artigo “Isto é o que acontece quando você permite que os desenvolvedores criem a interface do usuário” descreve o que acontece quando você generaliza isso para qualquer coisa relacionada à interface do usuário, não apenas para videogames.

Interface sem UX design
O que você obtém quando os engenheiros de software projetam a interface do usuário. (Imagem: UX Collective)
Interface com UX design
O que você obtém quando os designers de UX projetam a interface do usuário. (Imagem: Halo Lab/Reprodução)

Há uma grande diferença na qualidade do produto final, mesmo que em ambos você precise de engenheiros de software para realmente construir o produto. Você não deve permitir que os engenheiros de software projetem a interface do usuário.

Como isso se relaciona com cidades e ruas?

Muitas vezes, deixamos que os engenheiros projetem as ruas de nossas cidades. Isso vale para os métodos de controle de tráfego aplicados em ruas centenárias, bem como para as novas ruas que construímos hoje. Os engenheiros geralmente priorizam o movimento dos carros.

Hoboken
Rua em Hoboken, Nova Jersey, EUA.
Ruas de Montclair
Rua em Montclair, Nova Jersey, EUA.

Mesmo quando o engenheiro está tentando não priorizar o tráfego motorizado, ele não é arquiteto, paisagista ou artista. Suas habilidades de design são limitadas (estou dizendo isso como um engenheiro de software que seria incapaz de criar uma interface de usuário bonita) e será difícil que eles saiam da sua caixa de ferramentas de calçadas, meio-fio, asfalto, faixas de pedestres, parar sinais, etc. Talvez possamos variar um pouco o material, mas ao contrário de um artista, um engenheiro terá dificuldade em pensar em como fazer uma bela rua fora dessa caixa de ferramentas.

Compare as ruas acima com a grande variedade de ruas que encontramos ao redor do mundo (e até mesmo nos Estados Unidos). Estas são ruas que você pode dizer que foram projetadas primeiro por construtores, designers, moradores locais, arquitetos, etc., mesmo que engenheiros estivessem envolvidos na implementação real.

Filadélfia
Uma rua estreita na Filadélfia, EUA.
Tóquio
Rua de Tóquio, Japão.
Batavia
Uma rua em Batavia, Illinois, EUA.

É fácil, a partir de uma vista aérea, distinguir as partes de uma cidade que foram projetadas por um engenheiro e as partes que não foram. Por exemplo, aqui está Zurique, na Suiça:

Ruas de Zurique
Vista aérea de Zurique, Suíça. À direita está a cidade tradicional e orgânica, e à esquerda está a cidade planejada por engenheiros. (Imagem: Google Maps)

Há um contraste abrupto entre as ruas nas partes da cidade que não foram projetadas por engenheiros…

Zurique
Um cruzamento formando uma charmosa praça na parte tradicional de Zurique, Suíça.

…e as ruas nas partes modernas e planejadas de Zurique:

Ruas de Zurique
Outra rua em Zurique, Suíça, obviamente planejada por engenheiros, com calçadas, faixas de pedestres, demarcação de faixas, semáforos e meio-fio.

Há uma diferença óbvia entre ruas projetadas por engenheiros (como são quase todas nas cidades modernas) e ruas projetadas por arquitetos ou moradores locais. Dizer que arquitetos ou moradores devem projetar ruas não tira os empregos dos engenheiros; eles são importantes para a implementação, da mesma forma que o engenheiro de software é necessário para construir o software.

O engenheiro ainda precisa se preocupar com a drenagem, a localização e capacidade dos serviços públicos, a estabilidade estrutural da rua, a logística de coleta de lixo, entregas etc.: tudo o que é importante para dar vida à visão. Mas engenheiros são designers ruins.

Lucerna
Mesmo nesta rua não projetada por um engenheiro em Lucerna, na Suíça, ainda nos preocupamos com o escoamento das águas pluviais, para que os prédios não desmoronem no rio, o assentamento não ceda, etc. Os engenheiros ainda desempenham um papel importante aqui.

Os engenheiros também são importantes para projetar estradas, ou seja, conectores entre locais produtivos.

Autoestradas e ferrovias em Secaucus
Autoestradas e ferrovias em Secaucus, Nova Jersey.

Mas estradas não são ruas. As ruas são uma plataforma para construir riqueza, não conectores entre lugares.

Ruas e estradas em Toulouse
Ruas e estradas em Toulouse, França.

Ao permitir que os engenheiros planejassem nossas cidades e projetassem nossas ruas, o que fizemos foi criar a versão de “arte do programador” das cidades.

Ruas em Hoboken
Rua em Hoboken, Nova Jersey, EUA.

Sendo que nossas cidades poderiam ser muito melhores:

Rua para pedestres
Rua em Wolfsburg, Alemanha. (Imagem: Jan Gehl)

Há muitas pessoas capazes de projetar lugares bonitos hoje. Elas são contratadas pela indústria do entretenimento: cinema, videogames, teatro e parques temáticos.

Altissa
Uma foto de Altissa, cidade fictícia do jogo Final Fantasy XV. No mundo real, temos a charmosa Veneza, mas por que não repetimos isso?
Hogsmeade
Hogsmeade, um lugar fictício de Harry Potter, mas agora existe fisicamente em um parque temático na Flórida, EUA.
Ruas de uma cidade asiática fictícia
Uma cidade asiática fictícia de um artista.

Se podemos sonhar, podemos construí-lo. Lugares como estes existiram no passado, e ainda existem até hoje, em todo o mundo. Os engenheiros desempenham um papel importante em descobrir como transformar belos projetos em realidade. Mas, por favor, não deixe que os engenheiros projetem nossas ruas. Nossas cidades não precisam de mais arte programadora.

Publicado originalmente em Andrew Alexander Price em setembro de 2021. Traduzido por André Sette.

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.